Voltar para a página inicial

Quais insights para o setor após o Congresso Brasileiro do Agronegócio 2022?

Modificado em: maio 31, 2023

Nas últimas décadas, o Brasil tem se consolidado como um dos maiores produtores de alimentos do mundo. De acordo com dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o país é responsável pela alimentação de cerca de 800 milhões de pessoas, o que corresponde a 10% da população global.

Para que o país mantenha esse protagonismo, é importante que os profissionais do agronegócio estejam atentos aos desafios, perspectivas e tendências do setor. Apenas assim é possível garantir um crescimento contínuo e levar a inovação ao agronegócio, principalmente em meio às incertezas econômicas dos últimos anos.

Nesse contexto, quem lida diretamente com o universo rural brasileiro deve sempre buscar se informar e acompanhar os eventos do setor. Entre esses eventos está o Congresso Brasileiro do Agronegócio, considerado o principal fórum de discussão do agronegócio do país.

Em 2022, o evento chegou à sua 21º edição e foi realizado no dia 1º de agosto, no Sheraton WTC Hotel, em São Paulo (SP). Por abordar temas cruciais para quem atua no ramo, preparamos este guia completo com tudo o que você precisa saber sobre o congresso e quais os principais insights a serem levados para o seu negócio. Acompanhe!

O que é o Congresso Brasileiro do Agronegócio?

Realizado desde 2002, o Congresso Brasileiro do Agronegócio — também conhecido pela sigla CBA — é um evento anual promovido pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) em parceria com a B3, a bolsa de valores do Brasil.

O evento é um dos mais relevantes do mercado agro do país, sendo considerado obrigatório na agenda de executivos e formadores de opinião que atuam no mercado de agronegócio.

Como funciona?

A cada edição, as atividades do Congresso Brasileiro do Agronegócio são guiadas por um tema específico relacionado ao setor, que se torna objeto de debates, discussões e reflexões entre os participantes. Em 2022, o tema escolhido foi “Integrar para Fortalecer”.

Para falar sobre o tema, a programação do evento reúne especialistas de diversas áreas, representantes de entidades nacionais do agro e outros convidados relacionados ao setor. Veja os principais convidados e debatedores que marcaram presença no fórum deste ano:

  • Luiz Carlos Corrêa Carvalho, presidente da Abag;
  • Gilson Finkelsztain, CEO da B3;
  • Marcos Montes, ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
  • Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente;
  • Francisco Matturro, secretário da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo;
  • João Martins, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA);
  • Rodrigo Garcia, governador do Estado de São Paulo;
  • Michel Temer, ex-presidente da República;
  • Alysson Paolinelli, Francisco Turra e Roberto Rodrigues, ex-ministros da Agricultura.

Além de painéis temáticos, o congresso também concede dois importantes prêmios durante sua programação. Um deles é o Prêmio Ney Bittencourt de Araújo – Personalidade do Agronegócio, entregue em 2022 a Arnaldo Jardim, Deputado Federal e criador do Fundo de Investimentos para o Setor Agropecuário (Fiagro).

Já Mariangela Hungria da Cunha, pesquisadora da Embrapa Soja, foi agraciada com o segundo prêmio do CBA, o Prêmio Norman Borlaug – Sustentabilidade.

Qual é o objetivo do  Congresso Brasileiro do Agronegócio?

Entre os objetivos do Congresso Brasileiro do Agronegócio está debater o importante papel do agronegócio do país. Para isso, são promovidas discussões acerca de temáticas relacionadas ao setor para potencializar o seu crescimento.

Além de contar com debates, o congresso busca propor soluções — focadas principalmente em novas tecnologias e processos — para levar mais inovação e sustentabilidade às operações. Assim, o evento propicia a troca de ideias entre os participantes, contribuindo para melhorar a infraestrutura do agronegócio e o desempenho dos profissionais do ramo.

Como destacamos, a edição 2022 do evento teve como tema “Integrar para fortalecer”. A urgência desse debate teve como elemento norteador o momento delicado no qual vivemos, principalmente com a pandemia do Coronavírus.

Juros altos, inflação, dívidas fiscais, relações complexas entre poderes públicos e a campanha eleitoral completam esse cenário e impactam diretamente a economia do país. Nesse cenário, o congresso incentivou uma reflexão profunda entre os participantes sobre como a integração de todas as partes do agronegócio é imprescindível para o fortalecimento do setor.

Como é organizado o  Congresso Brasileiro do Agronegócio?

O evento é realizado ao longo de um dia, contando com quatro painéis relacionados ao agronegócio. Além disso, também há o momento de homenagem e distribuição dos prêmios Ney Bittencourt de Araújo — Personalidade do Agronegócio e Norman Borlaug — Sustentabilidade.

A programação se inicia às 8h, com o credenciamento para o evento e um Welcome Coffee para os participantes. Em seguida, às 9h, ocorre a cerimônia de abertura e os painéis temáticos são iniciados, contando com a participação de palestrantes especiais. As atividades chegam ao fim às 18h.

O congresso é promovido de maneira híbrida, ou seja, na modalidade presencial e virtual. Na última edição, cerca de 700 pessoas estiveram presentes no Sheraton WTC Hotel, em São Paulo, e mais de 6.000 profissionais do Brasil e do exterior acompanharam a transmissão ao vivo pelo site oficial da Abag, de forma gratuita.

O público do congresso é amplo e reúne toda a cadeia produtiva do agronegócio, envolvendo empresários, gestores públicos, executivos, consultores, especialistas, lideranças setoriais, produtores rurais, pesquisadores e outros profissionais ligados ao setor.

Quais as principais palestras do evento?

Durante o 21º Congresso Brasileiro do Agronegócio, o público teve a oportunidade de conferir quatro painéis. Descubra quais são eles a seguir.

Geopolítica, segurança alimentar e interesses

Abrindo as palestras no dia 1º de agosto de 2022, o evento recebeu o embaixador Alexandre Parola, representante permanente do Brasil junto à Organização Mundial de Comércio (OMC); Jacyr Costa, presidente do Conselho Superior do Agronegócio (COSAG) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP); e Gedeão Pereira, vice-presidente de Relações Internacionais da CNA.

Com moderação de Luiz Carlos Corrêa Carvalho, presidente da Abag, o painel abordou o tema “Geopolítica, segurança alimentar e interesses”. A geopolítica foi destacada como um elemento fundamental no agronegócio, uma vez que dois grandes eventos — a pandemia e o conflito entre Rússia e Ucrânia — ainda seguem em curso. Elas têm impactado todo o cenário econômico mundial, aumentando a inflação e a insegurança alimentar entre os países.

Em meio a um cenário de tamanha instabilidade econômica e política, os participantes do painel discutiram o futuro do setor e qual caminho o Brasil deve seguir para enfrentá-los. A mensagem é clara: o país tem grande potencial para apoiar a segurança alimentar e energética do mundo.

Para isso, a resposta está na produção e consumo de fontes de energia limpa, que, associadas à matriz energética nacional, podem melhorar a qualidade de vida da população e proteger o meio ambiente. Um importante pilar nesse sentido é a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), que reconhece o papel estratégico dos biocombustíveis para a segurança energética.

Agronegócio: meio ambiente e mercados

Nas últimas décadas, diversas práticas agrícolas sustentáveis foram adotadas no Brasil, amparadas pelo Código Florestal e pelo Plano de Agricultura de Baixo Carbono (ABC). Entre elas está a fixação biológica de nitrogênio, o sistema de plantio direto e a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), por exemplo. Mas é preciso ir além.

Para destacar os caminhos a serem seguidos pelo agro brasileiro para que ele se torne ainda mais sustentável, o Congresso Brasileiro do Agronegócio 2022 promoveu o painel “Agronegócio: meio ambiente e mercados”. André Guimarães, diretor-executivo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), foi o responsável pela moderação.

Participaram da palestra Fabiana Perobelli, Superintendente de Relacionamento com Clientes da B3; Gonçalo Pereira, professor titular e coordenador do Laboratório de Genômica e Bioenergia da UNICAMP; José Carlos da Fonseca Júnior, embaixador e cofacilitador da Coalizão Brasil – Clima, Florestas e Agricultura; e Liège Correia, diretora de Sustentabilidade da Friboi/JBS e vice-presidente da Abag.

Durante a palestra, o público teve a oportunidade de entender a importância de o Brasil se tornar mais competitivo no cenário da sustentabilidade, o que significa focar na produtividade na agricultura em todas as frentes. Além disso, é imprescindível ser mais sustentável na forma de produzir e efetivar leis ambientais para reduzir as emissões de carbono.

Agronegócio: tecnologia e integração

Dando sequência à programação da 21ª edição do evento, foi promovido o painel “Agronegócio: tecnologia e integração”, moderado por Celso Moretti, presidente da Embrapa. Luis Pogetti, presidente do Conselho de Administração do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC); Ana Helena de Andrade, presidente da ConectarAGRO; e Renato Ribeiro Rodrigues, conselheiro da Rede ILPF, conduziram o debate.

A conversa destacou o avanço contínuo da ciência brasileira nos últimos anos, apoiada pelas instituições de pesquisa, desenvolvimento e inovação. Elas tiveram um papel fundamental no desenvolvimento da agropecuária do país, contribuindo para o abastecimento do mercado local e a exportação de alimentos para outros países.

No entanto, para que a produção continue crescendo e não falte qualidade ao agronegócio, é preciso pensar em novas soluções. Uma das alternativas apontadas no congresso é a integração das culturas agrícolas com pastagens e florestas, uma boa opção para diversificar os sistemas produtos do país.

Agronegócio: perspectivas 2023/2026

O último painel do evento recebeu como debatedores Alysson Paolinelli, Francisco Turra e Roberto Rodrigues, ex-ministros da Agricultura; e Michel Temer, ex-presidente da República. Eles compartilharam suas percepções sobre o futuro do setor nos próximos quatro anos.

Com moderação de Nilson Leitão, presidente do conselho de administração do Instituto Pensar Agropecuária (IPA), a conversa destacou os desafios para que o Brasil continue como destaque mundial na exportação de alimentos, feito alcançado ao longo deste século.

Entre as principais medidas apontadas para atingir esse objetivo está o retorno de um maior dinamismo na economia, o fortalecimento de uma produção sustentável e a flexibilidade nas negociações comerciais.

Quais as principais novidades e análises levantadas no evento em 2022?

Após entender o que é o Congresso Brasileiro de Agropecuário e as principais informações sobre o evento, chegou a hora de conhecer as novidades e análises levantadas durante a edição de 2022.

Entre os vários temas abordados, integração, sustentabilidade e tecnologia tomaram a maior parte das discussões propostas pelo congresso. Conhecer mais sobre esses temas vai ajudar você a ter insights para aplicar em seu negócio, de modo a melhorar o seu desempenho e acompanhar as tendências do setor. Confira!

Integração

Como o evento teve como tema “Integrar para Fortalecer”, a integração foi um dos tópicos mais debatidos durante a programação. Nesse contexto, os participantes destacaram que avançar em todas as cadeias de forma integrada é o melhor caminho para o desenvolvimento do agronegócio.

Uma relevante análise sobre o tema ocorreu durante a abertura do congresso, que contou com a participação de Luiz Carlos Corrêa Carvalho, presidente da Abag. De acordo com ele, a integração das cadeias produtivas é uma forma de produzir mercados menos voláteis e reduzir comportamentos individualistas e protecionistas.

E mais: por estimular a competitividade, Carvalho destaca que a integração contribui para uma atuação mais aberta e criativa, unindo os setores público e privado em atividades conjuntas. Como o objetivo é fortalecer o setor, essa integração deve envolver frentes diversificadas, como o clima, a geopolítica, a produção de alimentos, o meio ambiente, a tecnologia e a matriz energética.

Sustentabilidade

Outro assunto muito discutido durante o Congresso Brasileiro do Agronegócio é a sustentabilidade. Para os palestrantes, esse fator é um dos protagonistas para o fortalecimento da integração das cadeias do setor.

Como o mundo se mostra cada vez mais preocupado com o meio ambiente, o desenvolvimento sustentável é crucial em todos os setores do mercado. Mas vale destacar que ele é ainda mais importante no agronegócio, pois prevê a adoção de práticas necessárias à atuação das empresas sem que o nosso planeta e as gerações futuras sejam comprometidas.

Assim, uma produção sustentável foi destacada como imprescindível para quem atua no setor. E como reforçado pelo presidente da Abag, é preciso sair apenas do discurso e partir para a prática, criando mecanismos que alinhem ações sustentáveis à rentabilidade na agricultura e na pecuária.

O Brasil já se destaca no mercado global como um país focado em sustentabilidade e competitividade. Nesse sentido, o que deve ocorrer é um investimento ainda maior em pesquisas e soluções para ajudar no desenvolvimento de práticas sustentáveis.

Tecnologia

Assim como a sustentabilidade, a tecnologia é considerada outro importante pilar para permitir a integração no agronegócio. As palavras do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes, destacam bem a relevância dessa temática: para ele, a tecnologia é o elo principal entre sustentabilidade e produção.

Na prática, são recursos modernos e inovadores que fazem com que as ações sustentáveis se tornem uma realidade da produção na agricultura. Isso porque eles aliam bom desempenho a boas práticas de preservação do meio ambiente.

O ministro Marcos Montes reforçou o quanto o Brasil tem avançado no campo tecnológico no agronegócio, tendo se tornado um exemplo em todo o mundo. Por isso, se há uma grande lição deixada pelo Congresso Brasileiro do Agronegócio é que as tecnologias, mais do que nunca, devem ser consideradas grandes aliadas dos produtores rurais e nos processos de produção do setor.

Economia circular

Você já ouviu falar sobre a economia circular? Trata-se de um conceito que enxerga os recursos naturais como eles realmente são: finitos. A ideia é promover fluxos circulares de reutilização, renovação e restauração, contribuindo para processos de consumo integrados e dando um destino mais consciente aos bens fabricados após o fim do seu tempo de uso.

Se ainda não está familiarizado com esse tema, é bom tê-lo em mente a partir de agora em seu dia a dia. Afinal, a economia circular foi destacada no Congresso Brasileiro do Agronegócio pelo ministro do Meio Ambiente Joaquim Leite, como parte essencial da agenda da sociedade.

A boa notícia é que as oportunidades em economia circular no agronegócio são inúmeras. No entanto, para aproveitá-las, é preciso rever a cadeia e analisar tudo o que pode ser reutilizado. Entre os aspectos que podem ser considerados para esse objetivo, destacados no evento, estão a geração de energia, a reciclagem de materiais, a redução de desperdícios e o uso consciente de recursos.

Neutralidade de carbono

Por fim, outro tema que também foi muito discutido durante o Congresso Brasileiro do Agronegócio é o mercado de carbono. Essa discussão tem se tornado cada vez mais relevante nos últimos anos, uma vez que a busca pela neutralidade de carbono é considerada imprescindível para evitar a emissão de gases de efeito estufa, que levam diretamente à crise climática.

Também chamada de net zero, a busca pela neutralidade de carbono é muito importante no agronegócio. Isso porque o setor responde a 28% das emissões totais de gases de efeito estufa. Mas o cenário é positivo: a expectativa é que o agronegócio consiga neutralizar suas emissões até 2030.

Um dos caminhos para isso é a adoção de sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. Essa prática, além de ter grande potencial de neutralizar as emissões de carbono no setor, contribuem para otimizar as criações e plantações.

Como aplicá-las ao seu negócio?

Como você pode perceber, o que não faltou no Congresso Brasileiro do Agronegócio foram novidades e análises relevantes relacionadas ao setor. Como colocar essas temáticas em prática pode ser um desafio, separamos a seguir algumas orientações para que você possa aplicá-las em seu negócio.

Invista na integração

Assim como expressado pelo tema do evento, é preciso “Integrar para Fortalecer”. Nesse sentido, é importante que você tenha sempre em mente que a integração das cadeias produtivas do setor é imprescindível para o bom desempenho do seu negócio.

Uma boa forma de fazer isso é levar sempre em consideração que sua produção não está isolada no município em que você atua. Ou seja, é preciso ter uma visão integrada e levar em consideração os diferentes aspectos que incidem na agropecuária, como o clima, a geopolítica, a matriz energética e a demanda de alimentos.

Vale destacar que, como dito pelo presidente da Cosag, Jacyr Costa, a integração da produção agropecuária com a indústria é essencial para vencer barreiras. Afinal, essa prática é capaz de gerar diversos benefícios, como aumento da produtividade e a redução dos custos de produção.

Adote tecnologias eficientes

Se há um ensinamento valioso deixado pelo Congresso Brasileiro do Agronegócio é a necessidade premente de se investir em tecnologia. Isso porque, sem elas, será praticamente impossível ter processos eficientes e manter seus processos produtivos. Confira algumas orientações quanto ao uso da tecnologia:

  • conte com equipamentos autônomos, ou seja, máquinas que não precisam de operadores. Elas podem ser controladas à distância e ajudam a reduzir custos, pois você não precisará contratar operários de máquinas;
  • adote um sistema eficiente de dados, de modo a melhorar seus processos e auxiliar na tomada de decisões. Há diversos softwares disponíveis no mercado, que podem ser aplicados em qualquer propriedade rural e coletar diferentes tipos de dados, como meteorológicos, informações do solo, de fertilizantes, entre outros;
  • invista em drones, tecnologia cada vez mais utilizada no agronegócio e que ajuda a captar imagens e gerar relatórios em tempo real de suas áreas cultivadas;
  • aproveite as inovações oferecidas pelo melhoramento e biotecnologia. Há diversas pesquisas e soluções relacionadas a essa temática, como sementes geneticamente melhoradas, que são resistentes a pragas e podem se adaptar mesmo a condições locais inóspitas.

Aposte em práticas sustentáveis

Não se esqueça ainda de levar a sustentabilidade para o seu negócio, pois esse é um tema cada vez mais relevante e pode ser pensado em diferentes aspectos. E o melhor: além de contribuir para o meio ambiente, você ainda aproveita benefícios para o seu negócio. Confira algumas práticas:

  • faça o descarte correto de resíduos;
  • invista em energias limpas e renováveis, como a energia solar;
  • faça o tratamento de dejetos e a recuperação de áreas degradadas;
  • utilize recursos naturais de forma consciente;
  • aposte em práticas que contribuam para a redução da emissão de gases do efeito estufa;
  • adote sistemas inteligentes para o reúso de água;
  • priorize o investimento em tecnologias sustentáveis;
  • invista em práticas sustentáveis e eficientes para melhorar o cultivo, como a irrigação de precisão e o terraceamento agrícola.

Ao longo deste artigo, você conferiu as principais informações sobre o Congresso Brasileiro do Agronegócio e as temáticas abordadas na edição 2022 do evento. Agora que já sabe mais sobre o assunto, tenha atenção às tendências e análises feitas no setor para ajudar você na administração rural e a desenvolver seu negócio de forma mais sustentável, lucrativa e segura.

Se você quer continuar acompanhando outros artigos sobre o tema, continue sua visita em nosso blog e confira nosso post Agro Sansuy e fique por dentro do setor com nossos novos canais de comunicação!

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

Selecione o assunto do seu interesse

    Banner Tanque Circular

    Materiais Gratuitos