+55 (11) 2139-2888 [email protected] Voltar para a página inicial
ACESSAR LOJA
+55 (11) 2139-2888 [email protected]
×

Tudo que você precisa saber sobre a técnica aquaponia

Modificado em: junho 14, 2023

Já imaginou um sistema que permite, ao mesmo tempo, o cultivo de plantas e a criação de peixes? Esse método existe e se chama aquaponia. É uma técnica que torna possível a criação de organismos aquáticos, como peixes, camarões, rãs, lagostas, entre outros, e a criação de plantas que são cultivadas em meio aquático.

É um processo criado pelos ancestrais astecas na agricultura, com as chinampas, ilhas utilizadas para cultivo. Também era utilizado na Ásia com a criação de peixes. Esse sistema gera diversos benefícios, como a redução do consumo de água, possibilidade de aplicação tanto na área urbana quanto rural, utilização da água residual para nutrição de plantas.

Vistos todos esses benefícios, este texto fala sobre o sistema de aquaponia. Saiba como ele contribui para a redução do consumo de água. Confira!

O que é aquaponia

A palavra aquaponia vem da combinação de “aquicultura” (que é a técnica de cultivo de organismos aquáticos) e da hidroponia (cultivo de plantas sem a presença de solo) faz referência às duas criações em um mesmo ambiente.

A aquaponia é uma técnica que permite, de forma integrada e colaborativa, a aquicultura convencional (criação de organismos aquáticos tais como peixes, lagostas, camarões e rãs) associada à hidroponia (cultivo de plantas em meio aquático), isso resulta em uma interação positiva entre as duas espécies.

Antigamente, antes mesmo de ser chamada de aquaponia, nossos ancestrais já se utilizavam de sistemas similares de integração de criação de organismos aquáticos com cultivo de plantas. As chinampas, como eram conhecidas as ilhas astecas de cultivo agrícola, utilizavam um sistema em que se cultivavam plantas em ilhas fixas (e às vezes móveis), construídas sob os lagos rasos.

Outro exemplo de sistemas aquapônicos remotos são os do sul da China, Tailândia e Indonésia, que cultivavam campos de arroz inundados em combinação com peixes.

Com o passar dos anos, a aquicultura foi passando de grandes lagoas escavadas para sistemas menores com recirculação de água. Ao maximizar a produção em menores espaços, os agricultores se depararam com o problema de lidar com os resíduos dos peixes, e começaram a analisar a capacidade de plantas aquáticas filtrarem essa água, levando aos sistemas atuais de aquaponia.

A água residual da aquicultura é rica em matéria orgânica (contém dejetos dos organismos e restos de ração), podendo causar problemas ao meio ambiente se descartada inadequadamente. No sistema de aquaponia, essa água residual é reaproveitada para o cultivo de plantas, que usam os nutrientes contidos nessa água para se alimentarem (com a ajuda de bactérias que fazem a decomposição da matéria orgânica) e ajudam assim na limpeza e na oxigenação das águas que, em seguida, retornam para os peixes.

No sistema hidropônico (cultivo de plantas em água) comum, os nutrientes que as plantas necessitam são obtidos em forma de sais (adquiridos em lojas especializadas). Com a aquaponia, os peixes disponibilizam 10 dos 13 nutrientes essenciais para as plantas, faltando apenas cálcio, potássio e ferro.

Isso permite uma redução de custos. Assim, os peixes alimentam as plantas, que devolvem a água limpa para os peixes, em um ciclo fechado, com baixo consumo de água e energia elétrica.

Funcionamento do cultivo

A aquaponia é um sistema que gera a auto circulação de água, que passa por fases diferentes do sistema de cultivo, desde a filtração, bombeamento, retirada de gases até a utilização da água residual para nutrição das plantas. Esse funcionamento diminui a necessidade de trocas da água, e reduz consideravelmente a necessidade de utilização de novas fontes hídricas. Segundo o EBC, Empresa Brasil de Comunicação, cerca de 70% da água do mundo é utilizada na agricultura, com o fim de rega das plantas.

Por esse motivo, é muito importante haver técnicas agrícolas que primam pela reutilização e filtragem da água em seu processo. A água utilizada na aquaponia reduz e até elimina a necessidade de trocas da água, por isso é um sistema inteligente e positivo para o ecossistema. Também existem processos de filtração mecânica que auxiliam a biológica, tornando possível manter o ambiente limpo e adequado à criação dos peixes e hortaliças.

Além disso, a aquaponia é importante para a redução da fome no mundo segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a FAO. Isso porque é possível criar galpões em diferentes regiões. Até mesmo as que têm restrições de fertilidade do solo. Isso porque as plantas, hortaliças e vegetais são criados em meio à água, sem necessidade de solo fértil para desenvolvimento.

O que a aquaponia cultiva?

O cultivo por aquaponia integra a criação de peixes, plantas e hortaliças sem a utilização de agrotóxicos. Também não há a aplicação de antibióticos nesse sistema. Pode ser aplicado na horticultura e na piscicultura. A utilização da aquaponia é vantajosa para áreas que têm escassez de alimentos por fatores que limitam sua produção, auxiliando por meio do cultivo isolado no galpão em ambiente próprio para produção.

A aquaponia é vantajosa para peixes e para os vegetais. Ela reduz a necessidade de fertilizantes, visto que sua água residual é utilizada como nutrição de plantas, reduzindo a utilização de sintéticos. O método é feito a partir da recirculação da água. O processo é o seguinte: o primeiro percurso da água é o de entrada no tanque, na sequência é bombeada para a área em que estão sendo cultivados os vegetais. Após esse passo, ela retorna para o primeiro tanque e reinicia o processo.

Como funciona a filtração biológica

A ração que é dada como alimento aos peixes na aquaponia é um item importante para o sistema. Após os animais ingerirem o alimento, o que é digerido e excretado serve como nutriente para as plantas presentes no sistema de aquaponia.

O nutriente é produzido de forma contínua pelos organismos presentes no ambiente. As bactérias têm a função de transformar amônia em nitrito e depois em nitrato. Esse ciclo biológico realizado pela bactéria nitrificante é o responsável pela transformação das toxicidades provenientes dos peixes em substâncias saudáveis que, posteriormente, serão usadas como nutrientes para as plantas.

Por sua vez, as plantas consomem esses nutrientes produzidos pelos peixes e realizam o sistema de filtração natural do ambiente. Isso torna a água saudável para o desenvolvimento dos peixes, auto nutritiva e filtrável.

O pH da água também é muito importante para todos os seres vivos do sistema de aquaponia. Isso porque deve ser adequado tanto aos peixes quanto às bactérias e plantas. Esse fator deve ser constantemente acompanhado, medido e corrigido, com o fim de manter a água em condições corretas para o desenvolvimento de todos os organismos que dela fazem parte.

O potássio e o cálcio são utilizados como substâncias tamponantes para correção do pH. Isso porque estão presentes no sistema em menores quantidades do que as médias adequadas para o desenvolvimento dos vegetais presentes.

Desafios

Os desafios presentes para os produtores que utilizam a aquaponia é o de manter a água com uma boa qualidade, para, assim, atender as necessidades das plantas, peixes e bactérias presentes. Qualquer desequilíbrio no sistema pode afetar a absorção de nutrientes.

Por esse motivo, exige dedicação de tempo para cuidado diário do produtor para que não prejudique todo o sistema de produção com algum descuido.

Funcionamento do sistema

O sistema de aquaponia consiste em duas partes: a parte da aquicultura (criação de organismos aquáticos) e a parte hidropônica (cultivo de plantas). A água residual do sistema de aquicultura circula (com a ajuda de uma bomba ou por drenagem) para o sistema hidropônico, e vice-versa. Embora consista primariamente dessas duas partes, os sistemas aquapônicos são também agrupados em outros componentes ou subsistemas, que podem auxiliar na eficiência do processo.

Esses modelos de sistemas aquapônicos que podem ser utilizados em apartamentos e casas, para os moradores das grandes cidades. Há sistemas maiores para os produtores e moradores da área rural.

O sistema é de aquaponia é realizado por meio de tanques para cultivo de organismos marinhos, bancadas destinadas à hidroponia e filtros para tratar a água. Existe uma interligação entre os tanques e os filtros. O mesmo é feito por um decantador que tem a finalidade de remover as partículas sólidas. Para as partículas biológicas é utilizado outro filtro, com o objetivo de reciclar os nutrientes. Um terceiro filtro é utilizado para o tratamento e eliminação dos gases produzidos pelo processo de oxigenação da água.

O sistema de cultivo vegetal é dividido em três sistemas híbridos principais.

1. O nutrient film technique, ou NFT

Esse sistema é feito a partir de tubulações ou canos de PVC, é comum ser utilizado para cultivo de hortaliças com folhas e alfaces. É o processo mais comum no cultivo de vegetais hidropônicos. As raízes dos vegetais adentram canaletas para hidratação, por onde recebem os nutrientes e água necessária para o crescimento e desenvolvimento.

2. Camas para cultivo

Nesse tipo de sistema é utilizada a argila para preencher os recipientes, o mesmo pode ser feito com britas. Tem o objetivo de cultivar tomates, pimentão, cerejas e vegetais maiores.

3. O deep water culture, ou DWC

Esse tipo de cultivo é feito a partir da utilização de isopor, esse material é posto na superfície da água. Nela são cultivadas alfaces em um volume de água abundante. Componentes biológicos devem ser analisados de acordo com o tipo de sistema que será implementado, para tornar o processo eficiente. Essa característica favorece o PH da água e também fatores físicos e químicos, como a temperatura.

Como montar um sistema de aquaponia básico

Para que seja possível montar um sistema de aquaponia básico, é necessário que tudo seja bem calculado. Pois trata-se de um mini ecossistema capaz de produzir vegetais, cultivar peixes, ervas medicinais, tudo no mesmo lugar. Além de ser capaz de produzir seu próprio fertilizante. Tudo isso de maneira sustentável, sem a necessidade de várias trocas de água.

Um sistema para aquaponia necessita de um tanque com um filtro mecânico embutido. Esse filtro terá o objetivo de limpar os sólidos mais pesados. Também é necessário um filtro biológico, em que serão criadas colônias de bactérias que tem o fim de filtrar a água de forma natural. Um bombeador de água (sump) é necessário para manter a circulação da mesma no sistema. Por fim, plantas que terão a função de limpar a água para que ela volte para os peixes em condição adequada.

Vantagens

Existem diversas vantagens no desenvolvimento da técnica de aquaponia para cultivo. É uma técnica adequada para a produção de alimentos, que resultam em geração de empregos e fonte de renda para muitas famílias brasileiras.

A técnica não exige a utilização de uma grande quantidade de água, pois pode ser reutilizada e auto filtrada no processo. É possível ter sistemas de aquaponia próximos a centros urbanos. É possível ter uma grande quantidade de peixes e hortaliças sem agrotóxicos. É fácil conseguir uma licença, entre outros diversos benefícios.

Redução no consumo de água

A agricultura é a atividade humana com maior consumo de água, sendo a irrigação responsável por 70% do consumo de água no Brasil. Assim o reaproveitamento da mesma se torna primordial para reduzir seu consumo. A aquaponia recircula a água de um sistema de criação de pescado para um sistema de cultivo de vegetais, reduzindo a demanda por água nova nesse sistema de cultivo.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa), a aquaponia pode economizar até 90% de água em relação à agricultura convencional.

A hidroponia economiza muito mais água que o meio comum de produção direto no solo ou outros tipos de cultivo, como a piscicultura, que exige a troca constante da água para que não haja contaminação. A água reposta é proveniente do processo de evaporação natural, necessitando muito menos reposição que sistemas convencionais de cultivo. A economia de água é considerada uma das principais vantagens da aquaponia.

A produção dos vegetais se beneficia dos nutrientes fornecidos pelos excrementos dos peixes e melhorando a qualidade da água por meio da filtração natural, tornando-a adequada para todas as espécies que nela vivem. O uso de fertilizantes sintéticos, nesse caso, é reduzido, sendo outro fator positivo para o meio ambiente.

Além da baixa necessidade de trocas, também existe a vantagem de criação de dois organismos com só uma fonte de água, os vegetais e os peixes.

Para ter uma ideia quantitativa do consumo de água para produção de outros alimentos em diferentes sistemas, o arroz necessita de 470 mil litros de água para a produção de produtos que vão gerar em torno de R$ 350 reais de lucro, o açucar, 123 mil, gado 81 mil, legumes e frutas 38 mil, trigo 24 mil. Enquanto o alface com aquaponia necessita de 600 litros de água para produção, e o manjericão, 173.

Opção para a área urbana e para a área rural

Em apartamentos, um pequeno sistema de aquaponia pode ser implementado na varanda do seu apartamento ou no jardim de uma casa, permitindo a plantação de ervas junto de pequenos peixes, trazendo um pouco de atividade da hidroponia e aquicultura para o seu dia a dia, além de alimentos frescos e orgânicos para a sua residência. Veja na imagem abaixo um exemplo desse sistema.

Para a zona rural, há sistemas de aquaponia maiores e com maior capacidade produtiva. Nesse sistema, podem ser criados mais organismos aquáticos e vegetais (como verduras e legumes).

Na Alemanha, uma fazenda urbana com uma estufa de 1,8 mil metros quadrados vai produzir anualmente cerca de 35 toneladas de verduras e legumes e 25 toneladas de peixe. O projeto, chamado de Inapro high-tech, reúne 18 parceiros de oito países e é baseado no Instituto Leibniz de Ecologia de Água Doce e Pesca Interior (IGB) de Berlim.

Existe a estimativa de crescimento da aquaponia no Brasil nos próximos anos. Desde pequenos sistemas até maiores. É possível ter acesso a uma diversidade grande de materiais online sobre como criar sistemas domésticos e também comerciais. Isso incentiva o início de novas culturas em ambientes rurais e domésticos com a divulgação de maior interesse pela aquaponia.

Como é possível a realização em lugares menores, com ela pode ser incentivada a prática da agricultura em ambientes urbanos. Como casas, quintais, varandas. Esse movimento, se for feito de forma segura e seguindo as normas da vigilância sanitária, pode ser muito benéfico para a região. Isso porque famílias que tivessem produções maiores que para consumo próprio poderiam gerar outra fonte de renda a partir da venda dos alimentos. Ou até mesmo doar para quem necessitar, em locais de maior escassez de comida.

Aquaponia residencial

A EMBRAPA, empresa brasileira de pesquisa agropecuária, criou um curso destinado a lecionar sobre a aquaponia e como montar um sistema em casa. A descrição e pauta está disponível no site da EMBRAPA. É gratuito e está disponível para inscrições de quem deseja aprender mais sobre aquaponia e desenvolver o próprio sistema em casa. Disponível em 4 módulos e totalmente online.

Relação entre peixe e planta

A quantidade de peixes e de plantas presentes em um sistema de aquaponia está relacionada à qualidade e efetividade dos filtros presentes. Os filtros com filtragem mecânica com baixa eficiência na remoção de objetos contaminantes podem conter uma relação menor de kg de peixes cultivados e vegetais. É uma média quantitativa de 25 vegetais por 1 quilo de peixe, considerando o valor por metro quadrado da área da aquaponia.

Visto isso, é importante investir em um sistema com uma boa qualidade de filtração mecânica, além da natural, pois esse fator vai influenciar diretamente na quantidade, qualidade e produtividade do canteiro de hidroponia.

Além disso, o tamanho do galpão vai depender do investimento destinado a melhorias do processo e máquinas. Apesar disso, é possível criar um sistema menor e doméstico, com menores investimentos.

Para que a quantidade de peixes cresça, e antes mesmo de investir nessa mudança, é necessário cuidar da qualidade da água, verificando sendo o pH, amônia, nitrato, nitrito, alcalinidade, bem como a dureza e fazendo as correções necessárias. Também deve-se esperar até que a filtração biológica, que é a realizada pelas bactérias, comece a agir.

É necessário também fornecer ração diariamente para os peixes, com o fim de alimentá-los, mas também para que eles produzam o excremento necessário para nutrir os vegetais e aproveitar para verificar todos os dias se há alguma ameaça aos vegetais, como pragas.

Espécies que podem ser utilizadas

A tilápia é o peixe mais comum de ser encontrado em um sistema de aquaponia. Outros peixes também podem ser utilizados. Mas é importante saber se eles se adaptam a temperatura e clima da região, bem como com a condição de isolamento em cativeiro. Essas características devem ser analisadas com o fim de manter a saúde do ambiente, tornando um local adequado à vida animal e à convivência.

Outro peixe com o valor comercial mais alto do que a tilápia e que pode ser utilizado é o lambari rosa. Em três meses ele já atinge o tamanho adequado para a comercialização. Diversos tipos de vegetais também podem ser criados, os mais comuns são: as folhosas, como rúcula, alface, hortelã, orégano, manjericão, entre outras. Qualquer planta possível de ser utilizada na hidroponia pode ser aplicada na aquaponia.

Segundo artigo da Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, outras espécies de peixes utilizadas no cultivo são:

  • bagre-americano (Ictalurus punctatus);
  • achigã (Micropterus salmoides);
  • pacu (Piaractus mesopotamicus);
  • carpa comum (Cyprinus carpio);
  • perca gigante (Lates calcarifer);
  • bacalhau-do-rio-australiano (Maccullochella peelii);
  • tilápia (Oreochromis niloticus);
  • camarão-da-amazônia (Macrobrachium amazonicum);

Também podem ser encontrados crustáceos, como:

  • lagostim australiano da garra vermelha (Cherax quadricarinatus).

Os vegetais mais comuns encontrados são:

  • alface (Lactuca sativa);
  • agrião (Rorippa nasturtium-aquaticum);

A possibilidade de cultivo desses diferentes tipos de organismos dentro de um só sistema, mostra como ele é versátil e eficiente. Capaz de manter uma produtividade alta e diversa.

Maior desafio para o Brasil com a aquaponia

O maior desafio para o Brasil com a aquaponia é garantir o desenvolvimento de produções em larga escala para áreas rurais e urbanas periféricas. A intenção é aumentar exponencialmente os ganhos, ampliando a produtividade. Para isso, sistemas fechados e seguros devem ser desenvolvidos, com o fim de garantir o uso racional e consciente dos recursos hídricos.

Nesse cenário, todos os nutrientes devem ser aproveitados. Esse aumento ajudaria a proporcionar mais empregos, trazendo ganhos econômicos e sociais. Por esse motivo é importante que haja o investimento e maior desenvolvimento da aquaponia no Brasil.

BPM ou Boas práticas de Manejo da aquaponia

As boas práticas de manejo são importantes para monitorar a qualidade da água e aprimorar o desempenho da produtividade gerada pela aquaponia. O ideal é que sejam seguidas as práticas ideais de manejo da aquaponia para otimizar a qualidade hídrica a longo prazo e prevenir doenças nos animais aquáticos presentes no sistema, e também às plantas e vegetais.

Verificar a eficiência do sistema de filtragem

O primeiro passo para a BPM é a avaliação dos filtros, para garantir que estão funcionando de maneira eficiente. Para isso, é importante verificar a concentração de amônia, nitrato e nitrito da água. É imprescindível que esses aspectos estejam em equilíbrio para garantir a efetiva degradação da matéria orgânica.

O excesso de amônia gera a redução da produtividade do sistema. Isso faz com que aumente o índice de doenças e stress animal e, consequentemente, a mortalidade. Podendo resultar em consequências negativas em termos de produtividade para o sistema como um todo.

Monitor a manutenção da qualidade da água

A qualidade da água deve ser constantemente monitorada, verificando o pH, temperatura e todas as características que tornam a água saudável para a vida dos peixes. Isso é importante para manter o desenvolvimento dos peixes de forma otimizada, evitando o adoecimento e aumento da mortalidade.

Verificar a possibilidade de digestão das rações

A verificação da digestibilidade da ração é importante, pois, depois que os peixes se alimentam, produzem os excrementos que servirão para nutrir as plantas. Isso garante que a biomassa inicial será mantida no local da aquaponia. Esse é um processo primordial para o sistema de aquaponia, pois garante a quantidade de nutrientes necessários para a saúde das plantas e, consequentemente, dos animais.

Avaliar a saúde dos peixes

É necessário avaliar o ganho de peso dos peixes, analisando qual foi o peso inicial e atual dos mesmos. Com isso, é possível saber qual é a média de ganho de peso diário. Também é necessário avaliar quanto peso eles estão ganhando em relação à ração consumida e a porcentagem de sobrevivência.

Esse é um passo importante para verificar o estado de saúde dos peixes e também das plantas, pois, a função delas é filtrar a água para que os animais vivam em boa condição hídrica. Se essa condição não estiver efetiva, prejudica o desenvolvimento dos animais aquáticos.

Prevenção de agentes patológicos dos peixes e hortaliças

É necessário prevenir a ação de agentes contaminantes e patológicos no sistema de aquaponia. Tanto para os peixes, quanto para as hortaliças e vegetais que são cultivados. Isso é feito a partir do controle de pragas. Esse controle é feito a partir da verificação diária da saúde dos seres orgânicos aquáticos e certificação de que não sofrem ameaças internas.

Seguindo as boas práticas de manejo da aquaponia, é possível ter um sistema mais saudável e produtivo, diminuir o índice de perdas produtivas, que está diretamente relacionado com lucro que a atividade trará para o produtor.

O sistema de aquaponia tem a capacidade de produzir uma alta quantidade de peixes e vegetais. Feito a partir de uma criação isolada em um só ambiente. É uma forma produtiva e eficiente de produção, benéfica tanto para o produtor quanto para o ecossistema, visto que é sustentável. Também é vantajoso para o consumidor, isso porque é capaz de fornecer produtos orgânicos de alta qualidade, sem a presença de agrotóxicos e antibióticos. Isso possibilita a oferta de alimentos mais saudáveis para quem consome e também com menos impactos ambientais.

É um processo antigo, utilizado pelos ancestrais da Ásia, que continua presente e cada vez mais eficiente e tecnológico. Tem uma importância notável para a economia de água, pois não necessita de muitas trocas para manter a água saudável e filtrada. É um processo ambientalmente responsável.

Por conseguinte, a aquaponia é muito importante para a economia nacional e seu crescimento é benéfico por possibilitar uma fonte de alimentação abundante para regiões com maior escassez de alimentos, além de gerar mais empregos e fonte de renda. Seu desenvolvimento é muito benéfico para a economia.

Agora que sabe todos os benefícios desse sistema, a Sansuy é especialista em fornecimento de galpões aquaponicos. Entre em contato conosco para saber mais!

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

icon_newsletter

Selecione o assunto do seu interesse

    Materiais Gratuitos