+55 (11) 2139-2888 [email protected] Voltar para a página inicial
ACESSAR LOJA
+55 (11) 2139-2888 [email protected]
×

Veja agora como fazer piscicultura em açudes de forma correta

Modificado em: maio 31, 2023

A piscicultura (ou aquicultura) tem crescido fortemente no país e tende a ganhar ainda mais fôlego. O aumento na demanda por exportação de alimentos gerado pela pandemia do novo coronavírus, em conjunto com uma maior procura por parte do consumidor interno sobre carne de peixes, potencializou a demanda e os produtores que aproveitarem isso serão muito bem-sucedidos.

Contudo, a construção do ambiente para a criação é de extrema importância. A produtividade na piscicultura depende essencialmente dessas questões. As escolhas dependerão, principalmente, das suas estratégias, analisando vantagens e desvantagens.

Uma das opções é optar por fazer piscicultura em açudes. E se você ainda não tinha pensado nessa possibilidade e tem dúvidas sobre o tema, vamos auxiliá-lo neste artigo.

Boa leitura!

Tipos de açude

Um primeiro ponto que você deve saber é identificar quais os principais tipos de açudes existentes. Temos três tipos, relacionados com seu tipo de construção: por barragem, por escavação e por aterro das margens.

Vamos falar mais sobre cada uma delas a seguir.

Açude por barragem

Tende a ser o tipo mais escolhido pelos responsáveis de agronegócios, principalmente, por ser um modelo prático e mais econômico a longo prazo. Para sua adoção, ele normalmente é feito próximo a leito de córregos e ribeirões. Nesses casos, são feitas escavações na região, criando a barragem. Contudo, atenção: recomendamos que você retire toda a terra vegetal antes de criar a barragem, a fim de gerar uma base sólida para o local.

Algumas diretrizes para a barragem são:

  • ter 1 metro a mais de altura acima do nível de água existente no açude;
  • largura 3 vezes maior que a altura do açude;
  • parte superior com uma largura de, no mínimo, 2 metros (para facilitar o processo de transporte de veículos).

Açude por escavação

São mais custosos, porque exigem máquinas especializadas para esse fim, pois precisam de escavadeiras para isso. Normalmente, não são muito indicadas, justamente porque oferecem um grande custo sem o benefício necessário, ainda que não tenham grande profundidade (normalmente têm apenas 2m).

Algumas de suas especificações, normalmente, são:

  • devem ter proporção 2:1: 2 metros de largura e 1 metro de altura;
  • no lado onde a água se encontrará, em compensação, a proporção deverá ser de 3:1: 3 metros de largura para 1m de altura;
  • deve-se cobrir o lado da barragem que fica em contato com a água com pedras, evitando processos de erosão.

Açude por aterro das margens

São aterros que também tendem a ser custosos, ainda que mais baratos que os por escavação. Normalmente, são usados em locais com ambientes planos, com uma técnica bastante semelhante à da construção de barragens. Costumam ter uma profundidade de 1,5 metro a 2 metros.

Lembre-se, também, de que é possível combinar esses tipos de açudes, de acordo com as demandas da sua propriedade e, assim, ter melhores resultados para criar o ambiente para a piscicultura.

Todos os tipos precisam ser abastecidos com água e podem recorrer às seguintes formas:

  • canais;
  • canaletas;
  • tubulações;

Normalmente, essas opções anteriores são usadas quando as fontes estão a uma curta distância do açude e se torna necessário levar a água para o local. Ainda, também podemos ter o abastecimento por meio de:

  • córregos;
  • riachos;
  • ribeirões;

Esses também só serão possíveis quando a fonte não for grande ou sem muita correnteza. Caso contrário, poderá prejudicar a criação. Deve-se considerar, também, as alterações que podem ocorrer no período de chuvas nesses aspectos (por exemplo, intensificação da correnteza nesse período).

Como preparar o ambiente para os peixes

Além de tudo que falamos, é importante considerar outros cuidados ao preparar o ambiente para a criação de peixes. Algumas dicas para isso são:

  • colocar uma tela grande nos espaços de entrada e saída de água, para evitar a fuga dos peixes ou, ainda, entrada de predadores que podem se alimentar dos seus animais;
  • tenha um bom controle de nível de água, bem como de sua saída;
  • também, implemente um ladrão, para casos de emergência, para liberar a saída de água, quando necessário;
  • plante árvores no entorno do açude, para proteger os animais e as águas, principalmente, de ventos frios;
  • mantenha o controle de qualidade da água. Alterações presentes aqui podem comprometer consideravelmente a sua produção.

Cuidados com os peixes no açude

Para que a sua produção de peixes realmente traga os resultados esperados, é fundamental que você tome alguns cuidados, que vão além da preparação do açude para a cultura.

Vejamos a seguir alguns dos principais deles.

Monitoramento da água

Lembre-se de que os peixes fazem seus excrementos na água. Além disso, a ração e os fertilizantes também podem alterar a qualidade da água. Portanto, é fundamental acompanhar o pH da água, pois ela pode ficar muito ácida e, assim, tornar o ambiente inóspito para os peixes. Além disso, também é importante acompanhar temperatura, clareza, oxigenação e níveis de amônia.

Fatores climáticos

Muitas questões climáticas afetam o meio ambiente aquático e podem prejudicar o cultivo dos seus peixes. Por exemplo, longas estiagens podem prejudicar os níveis de água nos açudes, gerando uma maior mortalidade dos peixes.

Uso de tecnologias

Esses monitoramentos e compensações, quando necessário, podem ser amparados por meio das tecnologias. Assim, é possível monitorar condições climáticas, prever períodos de estiagem e conseguir trazer um maior controle dos níveis e da qualidade da água.

Outras formas de fazer piscicultura

Afinal, apenas os açudes são usados na piscicultura? A resposta é: não. Também, há a possibilidade de contar com tanques construídos para esse fim.

Algumas das opções são:

  • tanques de terra: se aproximam consideravelmente das condições originais nas quais os peixes são criados na natureza e têm fácil manejo, no geral são revestidos com geomembranas;
  • tanques de alvenaria: construídos com concreto, cimento ou argamassa armada com revestimento de geomembrana de PVC. Podem ter fundo terroso e tem fácil manutenção. Normalmente, é mais indicado para culturas de alta intensidade ou que terão alta renovação da água;
  • tanques de lona: indicado para aqueles que buscam facilidade na despesca. São práticos, simples e têm fácil higienização, bem como economizam água no processo produtivo.

A piscicultura em açudes é uma estratégia bastante interessante para a sua propriedade. Considere o custo-benefício de optar por isso e defina qual é o melhor tipo para sua demanda. Esperamos que o conteúdo auxilie em sua decisão!

Nós falamos um pouco sobre os tanques acima. Então, quer saber mais sobre eles? Leia nosso artigo e tire suas dúvidas!

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

icon_newsletter

Selecione o assunto do seu interesse

    Banner Tanque Circular

    Materiais Gratuitos