+55 (11) 2139-2888 [email protected] Voltar para a página inicial
ACESSAR LOJA
+55 (11) 2139-2888 [email protected]
×

Aquicultura e meio ambiente: quais os impactos e como evitá-los?

Modificado em: junho 14, 2024

Em um mundo cada vez mais consciente da importância da sustentabilidade, compreender as complexas interações entre aquicultura e meio ambiente é crucial para garantir uma produção de alimentos socialmente justa e ecologicamente responsável.

À medida que essa indústria busca atender à crescente demanda por alimentos, surge a necessidade premente de explorar soluções sustentáveis para mitigar seus potenciais efeitos adversos. Dessa forma, é possível desenvolver práticas que minimizem os impactos negativos e preservem a biodiversidade.

Ao longo deste artigo, você vai conhecer os principais impactos ambientais associados à aquicultura, bem como insights valiosos sobre medidas preventivas e práticas sustentáveis. Acompanhe!

Qual a finalidade da aquicultura?

A aquicultura é uma atividade que envolve o cultivo de organismos aquáticos (peixes, moluscos, crustáceos, algas ou outras espécies aquáticas) em ambientes controlados para finalidades comerciais, alimentares ou de repovoamento. Essa prática busca atender à crescente demanda por frutos do mar e outros produtos aquáticos, contribuindo para a segurança alimentar global.

Diferentemente da pesca extrativa, que depende da captura de organismos selvagens nos oceanos, rios e lagos, a aquicultura oferece um meio de produção mais controlado e sustentável. Ela envolve a criação e a manutenção de condições adequadas para o desenvolvimento dos organismos aquáticos, podendo ser praticada em tanques, viveiros, redes no mar, entre outros sistemas.

Piscicultura

Entre os diversos ramos da aquicultura, está a piscicultura, que trabalha, sobretudo, com o cultivo de peixes em cativeiro. Nessa prática, os peixes são monitorados e controlados continuamente, desde o início da vida até o momento em que alcançam a condição ideal para consumo. Trata-se de uma das modalidades que mais crescem no Brasil, sendo responsável por movimentar uma parcela importante da economia do país.

Quais são os impactos da aquicultura no meio ambiente?

A aquicultura fornece uma fonte estável de alimentos e gera empregos em várias regiões do mundo, o que favorece a economia global. No entanto, seu crescimento rápido e expansivo levanta preocupações ambientais. A seguir, veja quais são os principais impactos da prática no meio ambiente.

Eutrofização

A eutrofização é um processo natural que ocorre devido à acumulação excessiva de matéria orgânica proveniente do desenvolvimento de algas e outros elementos da natureza. Porém, também há a eutrofização artificial ou entrópica, decorrente da ação do homem.

Ela pode ter diferentes origens, como a poluição das águas por efluentes domésticos, industriais, agrícolas e de sistemas de criação de organismos aquáticos. A expansão da aquicultura é uma das responsáveis por esse cenário, uma vez que as atividades do setor provocam a aceleração da produtividade de algas, alterando a ecologia do sistema aquático.

Alteração da biodiversidade

A aquicultura também pode afetar a diversidade biológica dos ecossistemas aquáticos, por fatores variados. Um deles é a introdução de espécies exóticas, o que leva a uma competição desigual por recursos e ao deslocamento de espécies nativas. Assim, as espécies exóticas se tornam invasivas, ameaçando a biodiversidade local.

Da mesma forma, antibióticos e produtos químicos — usados para combater doenças e parasitas em populações de organismos aquáticos —, caso escapem para os ecossistemas, podem ter efeitos negativos sobre outras formas de vida aquática.

A modificação ou destruição do habitat dos animais marinhos é outro impacto significativo. A criação de camarões, por exemplo, implica a conversão de áreas costeiras e manguezais em viveiros, o que pode resultar na perda de habitats críticos para diversas espécies e afetar negativamente a biodiversidade local.

Mudanças na paisagem

A aquicultura pode ser praticada em diferentes meios, como tanques, viveiros, gaiolas, entre outros. A construção desses sistemas tem um impacto significativo no meio ambiente, pois interfere na estética da região onde são instalados e na dinâmica hidrológica.

Muitos projetos ainda envolvem a conversão de áreas naturais, como manguezais e terrenos costeiros, em locais de cultivo, o que pode causar perda de habitats naturais importantes. Além disso, a aquicultura pode estar associada ao desmatamento para criar espaço para a construção de fazendas aquícolas.

Produção de efluentes

Outro impacto na relação entre aquicultura e meio ambiente é a produção de efluentes. Isso acontece porque a água utilizada nos tanques ou viveiros pode conter resíduos orgânicos, biológicos ou químicos, que caso sejam lançados nos sistemas aquáticos, contaminam a água e alteram suas características.

A água desses efluentes também pode apresentar risco à saúde humana e animal, pela possível presença de patógenos provenientes de resíduos vegetais, estercos e material compostado, por exemplo, que são fontes importantes de resíduos orgânicos em alguns sistemas de criação.

Introdução de patógenos

A transferência de animais aquáticos de uma região para outra pode transportar patógenos desconhecidos para as novas áreas. Além disso, a utilização de insumos, como ração e outros suprimentos, é outra fonte comum de introdução de patógenos. Assim, os impactos para os organismos podem ser significativos.

Uma das consequências é o surgimento de doenças em organismos cultivados, trazendo grandes perdas econômicas para a indústria aquícola. Patógenos introduzidos também afetam a biodiversidade local, causando doenças em espécies nativas, além de provocarem ao desenvolvimento de resistência nos patógenos, o que dificulta o controle e aumenta os riscos a longo prazo.

Como esses impactos estão sendo combatidos?

Apesar de gerar diversos impactos no meio ambiente, a aquicultura pode ser praticada de maneira sustentável e consciente, de modo a minimizar as consequências nos ecossistemas aquáticos. Mas para isso, é necessário adotar alguns cuidados importantes, como:

  • implementação de técnicas para melhorar as condições de qualidade da água nos sistemas de criação de peixes e, assim, evitar a ocorrência da eutrofização;
  • gestão adequada de resíduos nos ambientes de criação de peixes;
  • redução do uso de antibióticos e produtos químicos, além do uso de rações de qualidade;
  • respeito às diretrizes e regulamentações ambientais;
  • adoção de técnicas que visem à conservação dos ecossistemas aquáticos;
  • uso de métodos que minimizem a conversão de áreas naturais, promovendo o uso eficiente dos espaços aquáticos e considerando os aspectos estéticos e sociais locais;
  • promoção da aeração e circulação da água de tanques e viveiros de maneira adequada;
  • tratamento correto de efluentes e, quando possível, reutilização desses efluentes em outras atividades, como para a irrigação de plantações.

Prática milenar de cultivo de organismos aquáticos, a aquicultura se tornou uma peça-chave na produção global de alimentos. Por isso, conhecer a relação entre aquicultura e meio ambiente é fundamental para entender como ambos podem coexistir harmoniosamente e quais soluções podem moldar um futuro em que as atividades do setor não comprometam a integridade dos ecossistemas aquáticos.

Se você gostou deste artigo e deseja se aprofundar em outros conteúdos relevantes para o seu negócio, siga nossas redes sociais e acompanhe todas as nossas novidades: estamos no Facebook, no Instagram, no X e no LinkedIn!

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

icon_newsletter

Selecione o assunto do seu interesse

    Banner Tanque Circular

    Materiais Gratuitos