+55 (11) 2139-2888 [email protected] Voltar para a página inicial
ACESSAR LOJA
+55 (11) 2139-2888 [email protected]
×

Confira medidas importantes de segurança no transporte de cargas

Modificado em: maio 23, 2024

A segurança no transporte de cargas é um assunto que impacta diretamente a economia brasileira. Isso acontece porque grande parte do setor de logística depende da movimentação por via terrestre. Assim, um sistema que funciona com eficiência é sinônimo de integridade dos produtos e agilidade nas operações, influenciando diretamente a proteção do patrimônio e também das pessoas envolvidas nessa cadeia.

Mas, afinal, como adotar práticas que auxiliem a segurança no transporte de cargas? Será que existem mecanismos e estratégias que podem ser implementados nesse sentido? E, caso sejam adotados, serão suficientemente eficientes?

A negligência em segurança pode resultar em prejuízos financeiros significativos, danos à imagem da empresa e, em situações mais graves, consequências irreparáveis. Neste artigo, exploraremos medidas que abrangem desde a prática de direção defensiva e a correta acomodação da carga até a importância do seguro e do rastreamento em tempo real.

Continue a leitura e descubra como garantir um transporte de cargas seguro e estruturado.

Segurança no transporte de cargas no Brasil

Embora o Brasil seja um país que dependa, em grande medida, do transporte de cargas pelas vias terrestres, há muitos desafios que comprometem a segurança das operações. Isso gera impactos negativos tanto no trabalho do caminhoneiro quanto na economia e no cumprimento de prazos dos clientes.

O roubo de cargas é uma das grandes dificuldades nesse sentido. O relatório de roubo de carga da Overhaul, multinacional de gestão de riscos, aponta que em 2023 ocorreram 17.108 registros de roubos de carga no Brasil. Esse número supera os índices de 2022, quando foram constatados 16.324 roubos.

Com uma alta de 4,8% em relação a 2022, esse é um tema de alto impacto nas finanças, planejamento e gestão de riscos das empresas. Além dos casos de roubo, a precariedade da infraestrutura é outra situação que afeta a produtividade e a segurança no transporte de cargas.

A má qualidade das estradas, com buracos, sinalização deficiente e a iluminação ruim também aumentam o risco de acidentes e facilitam a ação de criminosos.

Somado a isso, a falta de pontos de parada seguros e áreas de descanso adequadas para os motoristas contribui para a fadiga e a vulnerabilidade. Em alguns casos, o problema é potencializado por jornadas de trabalho excessivas e pela pressão por cumprimento de prazos, aumentando o risco de acidentes.

Outro aspecto que afeta a segurança no transporte de cargas é a falha na fiscalização. Há situações em que o excesso de burocracia dificulta o controle do transporte de cargas, refletindo na circulação de veículos em más condições.

Com investimentos precários em tecnologias de rastreamento e monitoramento em tempo real, a capacidade de resposta em caso de roubo ou acidente é reduzida. Isso dificulta a recuperação da carga e a identificação dos responsáveis.

Por fim, não podemos deixar de mencionar que a falta de investimento no treinamento dos motoristas e demais profissionais envolvidos no transporte de cargas é um fator que aumenta o risco de acidentes e erros operacionais, comprometendo a segurança de todos.

Perceba que há diversos desafios presentes em diferentes níveis e setores da área de transporte de cargas. Superar esses obstáculos exige ações conjuntas do governo, empresas e sociedade, investimento em infraestrutura, tecnologia, treinamento e fiscalização. Tudo isso deve ser acompanhado do combate à corrupção e da promoção de condições de trabalho mais dignas para os profissionais do setor.

Normas e regulamentações do transporte de cargas

Quem trabalha com transporte de cargas precisa conhecer as principais normas, regulamentações e leis aplicáveis às suas atividades. A seguir, listamos algumas das mais importantes. Conheça!

  • Lei n.° 11.442/2007 — também chamada de lei do transporte rodoviário de cargas, essa norma estabelece as regras para movimentação de cargas, inclusive com relação aos direitos e deveres dos transportadores, destinatários e embarcadores;
  • Lei n.° 12.619/2012 — conhecida como lei do motorista, essa norma regulamenta a profissão, estabelece limites de jornada e descanso de trabalho e medidas de segurança para os profissionais;
  • Resoluções da Agência Nacional do Transporte Terrestre (ANTT) — as resoluções do órgão definem normas específicas para o transporte rodoviário de cargas, como regras para o Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC), seguro de responsabilidade civil, vale-pedágio obrigatório, entre outros;
  • Resoluções do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) — as resoluções do CONTRAN regulamentam aspectos técnicos do transporte de cargas, como dimensões e pesos máximos permitidos para veículos, sinalização de cargas especiais e regras para o transporte de produtos perigosos.

Além dessas, existem normas regulamentadoras específicas que versam sobre requisitos de segurança para o transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de cargas. Sem falar nas normas de segurança para máquinas e equipamentos utilizados no transporte de cargas, como empilhadeiras e guindastes.

As Normas da ABNT também se aplicam ao transporte de cargas, já que existem orientações específicas com padronização técnica para diferentes aspectos do transporte de cargas, como a sinalização de veículos e amarração de cargas, por exemplo.

Por fim, não podemos deixar de citar o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Ele estabelece as regras gerais de circulação nas vias públicas, incluindo limites de velocidade, sinalização, documentação e equipamentos obrigatórios para veículos de carga.

Empresas e profissionais do setor de transporte de cargas devem estar sempre atualizados sobre as normas e regulamentações, já que o descumprimento dessas regras pode gerar multas e penalidades.

É importante ter em mente que o cumprimento das normas contribui para a segurança, eficiência e legalidade das operações, beneficiando toda a cadeia logística.

Medidas importantes de segurança no transporte de cargas

Agora que você já conhece os riscos de segurança e as principais normas em vigor, é hora de entender como implementar ações de segurança no transporte de cargas, estabelecendo as estratégias que serão adotadas em seu negócio.

A segurança no transporte de cargas é essencial para evitar acidentes, proteger vidas e garantir que as mercadorias cheguem ao seu destino com eficiência e em perfeitas condições.

Para alcançar esse objetivo, diversas medidas podem ser implementadas, abrangendo múltiplas fases do processo. Conheça mais sobre elas e descubra como implementá-las!

Pratique a direção defensiva

A prática da direção defensiva contribui significativamente para a segurança no transporte de cargas, pois visa prevenir acidentes e minimizar riscos nas estradas. Ela se torna ainda mais relevante devido às características específicas dos caminhões que, em razão do porte, peso e tempo de frenagem, podem causar danos maiores em caso de acidente.

Por isso, profissionais e empresas de transporte devem investir no treinamento porque motoristas precisam conhecer a legislação e as ações de direção defensiva que contribuirão para a sua própria segurança e das demais pessoas que transitam nas estradas.

Realize manutenções preventivas

As manutenções preventivas são um aspecto-chave na busca por segurança no transporte de cargas. Por meio delas é possível identificar e corrigir desgastes, folgas e outros problemas em componentes importantes como freios, suspensão, direção, pneus, lona e sistema elétrico. Adotar esses cuidados evita falhas repentinas que podem causar acidentes graves.

Além disso, um veículo bem conservado tem melhor desempenho em termos de frenagem, estabilidade, dirigibilidade e consumo de combustível. Isso proporciona mais controle ao motorista e reduz o risco de acidentes causados por perda de controle ou dificuldades em manobras.

Faça o gerenciamento de risco, acidentes e roubo

O gerenciamento de risco contribui para o aumento na segurança das cargas, dos motoristas e da operação como um todo. Para lidar com acidentes e roubos, é preciso adotar uma estratégia ampla que considere as particularidades de cada operação.

Na prática, recomenda-se que o gestor comece identificando e avaliando os riscos, estimando a probabilidade de ocorrência e o impacto financeiro, operacional e mercadológico caso eles se concretizem.

A partir daí, é necessário implementar medidas preventivas que podem incluir o desenvolvimento de planejamentos de rota, investimento em tecnologias de rastreamento, contratação de seguro, treinamento dos colaboradores, ampliação da comunicação dos motoristas e, eventualmente, adoção de parcerias com empresas de segurança.

Com as medidas preventivas implementadas, é necessário adotar práticas de monitoramento e controle. Além de acompanhar o trajeto do veículo em tempo real, avalie se há desvios de rota ou paradas não programadas.

Nesta etapa, é interessante coletar e analisar dados sobre acidentes e roubos para identificar padrões e tendências, ajustando as medidas preventivas. A realização de auditorias ajuda a verificar se os procedimentos de segurança estão sendo seguidos.

Toda estrutura da gestão de risco varia de acordo com a realidade e as demandas específicas de cada negócio. A ideia é que as empresas invistam nessas práticas a fim de mitigar riscos, reduzindo consideravelmente os prejuízos financeiros e operacionais causados por falhas e deficiências na segurança.

Invista em roteirização

A roteirização é um processo que envolve o planejamento e otimização de rotas nas entregas e coletas de cargas. Ela inclui a definição da sequência de paradas, considerando fatores como distância, tempo, trânsito, capacidade do veículo e janelas de tempo para entregas.

A roteirização pode auxiliar na segurança das cargas nos planejamentos em que ela considera informações sobre áreas de risco, como locais com alto índice de roubo de cargas, por exemplo.

Além disso, os softwares de roteirização costumam oferecer recursos de rastreamento em tempo real, permitindo que a empresa monitore a localização da carga e tome medidas rápidas em caso de desvio de rota ou outros problemas.

Investir na roteirização, independentemente do porte do seu negócio e do volume de entregas, é uma excelente opção, já que ajuda na identificação e avaliação de riscos em cada etapa da viagem, permitindo que a empresa tome medidas preventivas para minimizar esses riscos.

Otimize constantemente o processo logístico

A otimização do processo logístico consiste na adoção de práticas como o monitoramento das condições de vias, o uso de aplicativos de comunicação e plataformas online para compartilhar informações sobre a carga e uso de ferramentas de análise de dados para identificar padrões de riscos.

Essa prática de otimização contínua contribui para a manutenção de informações atualizadas e implementação de eventuais ajustes ou alinhamentos sempre que necessário.

Treine os motoristas

Treinamentos em direção defensiva, conhecimento das leis de trânsito, conhecimento sobre as características da carga — periculosidade, perecibilidade e fragilidade — permitem que os profissionais dirijam com segurança e tomem as medidas necessárias para garantir a integridade da carga durante o transporte.

Identificação de riscos

Motoristas treinados conseguem identificar situações de risco, como áreas com alto índice de roubo de cargas, e adotar medidas preventivas, como evitar essas áreas ou escolher rotas alternativas mais seguras.

Tenha seguro de cargas

Contratar o seguro de cargas pode ser uma excelente estratégia de mitigação de riscos e redução de danos em várias situações. Esse tipo de contrato garante a proteção financeira contra perdas ou danos às mercadorias durante o transporte, oferecendo cobertura para diversas situações, como roubo, furto, acidentes, incêndios, entre outros.

Invista em tecnologia

Como você viu em tópicos anteriores, há várias soluções em tecnologia que podem contribuir para a segurança no transporte rodoviário de cargas.

Além de sistemas de gestão e rastreamento, a empresa pode investir em softwares de roteirização, sistemas de monitoramento, mapas, câmeras de segurança, sensores de temperatura, sistemas de alarme e bloqueio remoto.

Como você pode ver, a segurança no transporte de carga engloba uma série de cuidados e práticas que começam com o treinamento dos colaboradores e planejamento de rotas e passam por investimento em tecnologia e gestão de informações.

Para garantir que as cargas cheguem aos seus destinos integralmente, também é importante lembrar a necessidade de adotar um sistema de enlonamento adequado, implementado conforme os padrões de qualidade e considerando o uso da lona própria para cada situação.

Segurança do trabalho no transporte de cargas

A segurança dos motoristas no exercício de suas atividades é um dos pilares da gestão de segurança no transporte de cargas. Existem muitos riscos de trabalho, incluindo o de acidentes de trânsito, quedas de carga e ergonomia, para citar apenas alguns exemplos.

O gerenciamento de segurança do trabalho no transporte de cargas inclui ações de inspeção e manutenção dos veículos, capacitação dos profissionais, uso de equipamentos de proteção individual, acondicionamento e proteção adequados da carga e respeito aos limites de peso e dimensões.

Gestão de riscos e responsabilidades no transporte de cargas

As responsabilidades no transporte de cargas são compartilhadas entre diversos agentes, cada um com suas obrigações. Os principais atores dessa relação são o embarcador, o transportador, o destinatário, a seguradora e os órgãos reguladores.

Embarcador

Cuida de todo o processo de embalagem e acondicionamento da carga, fornecendo informações precisas e contratando um transportador confiável.

Transportador

Agente responsável por transportar a carga com segurança e dentro do prazo, garantir a integridade da mercadoria durante o trajeto e cumprir as normas de segurança e trânsito.

Destinatário

Recebe a carga e verifica se a mercadoria está em boas condições para comunicar ao transportador qualquer problema identificado.

Dito isso, vale ressaltar que o pagamento do serviço de transporte depende da modalidade escolhida, que pode ser CIF ou FOB:

  • frete CIF — pagamento feito na origem pela empresa que vai enviar a encomenda, o pagamento é feito antes do despacho.
  • frete FOB — pagamento realizado pelo destinatário (cliente) quando o produto é recebido no destino.

Seguradora

É a empresa que indeniza o proprietário da carga em caso de perdas ou danos que estejam cobertos pela apólice de seguro.

Órgãos reguladores

São todos os órgãos responsáveis por fiscalizar o cumprimento das normas de segurança e trânsito, aplicar multas em caso de infrações e garantir a segurança nas rodovias.

Como você viu, a segurança no transporte de cargas exige atenção e cuidado em diferentes contextos, desde o treinamento do motorista até o planejamento da rota e a utilização de equipamentos adequados.

Somado a isso, o investimento em tecnologia, a gestão baseada em dados e a proteção da carga com lonas são práticas indispensáveis para evitar danos e maximizar a eficiência e qualidade das entregas.

Investindo em práticas de gestão e medidas preventivas, transportadoras e embarcadores garantem a integridade dos produtos, a satisfação dos clientes e a mitigação de riscos e danos às suas operações.

Gostou de conhecer mais sobre segurança no transporte de cargas? Acesse o nosso blog e aproveite para conferir outros conteúdos que auxiliarão no planejamento e gestão das suas operações.

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

icon_newsletter

Selecione o assunto do seu interesse

    vinilona_cinza_20_2_1

    Materiais Gratuitos