+55 (11) 2139-2888 [email protected] Voltar para a página inicial
ACESSAR LOJA
+55 (11) 2139-2888 [email protected]
×

Entenda como aliar a piscicultura intensiva com práticas sustentáveis

Modificado em: maio 31, 2023

Cada vez mais, fala-se em uma piscicultura intensiva e sustentável. Porém, o que se deve fazer para atingir esse nível de eficiência, na prática? Um ponto fundamental a ser lembrado é que a sustentabilidade não é só cuidar dos recursos naturais, mas também, garantir o sucesso financeiro da operação e promover impactos sociais que sejam benéficos a todos.

Ao longo deste artigo, vamos detalhar as principais questões para quem deseja garantir que seu empreendimento se mantenha por muito tempo, sem agredir o meio ambiente. Vamos em frente com a leitura?

Qual a importância de aliar a piscicultura intensiva a práticas sustentáveis?

Uma prática sustentável pode ser definida como tudo aquilo que se pode fazer visando ao uso eficiente e à preservação dos recursos naturais. Essas ações devem ser alinhadas de forma que a atividade produtiva em questão possa ser conduzida por tempo indeterminado.

Entre as práticas mais eficientes para o uso da água sob um viés preservacionista estão:

  • recondicionamento da qualidade da água, de forma que seu reuso seja viável;
  • aproveitamento dos nutrientes contidos nos efluentes;
  • não lançamento de efluentes com potencial de poluir os cursos d’água.

Todos esses exemplos podem ser aplicados nas unidades de produção de organismos aquáticos, ou seja, na aquicultura de forma geral, e não somente na piscicultura.

O que é um empreendimento sustentável?

Um empreendimento aquícola verdadeiramente sustentável deve seguir não somente os pré-requisitos mencionados, mas também, adotar técnicas de manejo de baixo impacto ambiental e focadas na preservação dos recursos naturais. Mas se engana, quem pensa que apenas os aspectos ambientais devem ser considerados.

A sustentabilidade se baseia em um tripé, que também é composto pelos impactos econômico e social. Ou seja, qualquer empreendimento que busque a sustentabilidade deve ter renda compatível com a necessidade da atividade, inclusive com retorno garantido aos investidores.

Além disso, os aspectos sociais, como oferta de emprego, renda e bem-estar, com impactos positivos na comunidade onde está inserido, são fatores determinantes para a sustentabilidade de um negócio.

Quais são os pré-requisitos e tendências para uma piscicultura sustentável?

Entre os pontos a serem considerados para a prática da piscicultura intensiva e sustentável, destacam-se:

  • atenção às limitações biológicas;
  • preservação dos recursos naturais;
  • manutenção ou ampliação da qualidade ambiental do entorno;
  • aproveitamento eficiente de alimentos naturais e de detritos orgânicos gerados.

Quais conhecimentos básicos de biologia e de zootecnia são essenciais?

O essencial para um empreendimento aquícola atuar de forma sustentável é realizar a conservação da água, recurso natural indispensável para a sua existência e para a sobrevivência humana. Assim, o projeto deve evitar perdas do recurso por infiltração e por evaporação, bem como contemplar o tratamento do efluente.

O foco deve estar na remoção dos sólidos em suspensão (principalmente fezes), no aproveitamento dos nutrientes dissolvidos na água (para, assim, reduzir a pressão) e no impacto ambiental sobre os cursos d’água.

Do ponto de vista zootécnico, a escolha de alimentos, dietas e rações deve ser orientada para maximizar o aproveitamento dos nutrientes pelos organismos aquáticos produzidos. Isso minimiza as perdas na forma de fezes e por dissolução no efluente.

Quando se fala em conhecimento biológico, é fundamental que tanto o projeto quanto o manejo do empreendimento estejam concentrados na biocenose aquática. Ou seja, focados em favorecer o desenvolvimento de todas as comunidades de organismos aquáticos que contribuem para a redução do impacto ambiental do efluente das granjas.

Se possível, ainda, é recomendável atrelar a atividade econômica primária com a produção de algas unicelulares, macroscópicas ou até de vegetais superiores. Isso porque são capazes de absorver os nutrientes dissolvidos na água utilizada.

Quais são os riscos sanitários e ecológicos da piscicultura, se ela não for bem estruturada?

Uma unidade moderna de produção de organismos aquáticos deve levar à risca as boas práticas de produção, com o objetivo de implantar barreiras sanitárias eficientes que impeçam a entrada de doenças e parasitoses. Elas devem, ainda, ser capazes de prevenir a disseminação de microrganismos patogênicos ao meio ambiente.

Os produtores não devem se esquecer, também, da importância de reduzir ao máximo o volume de efluentes lançados nos cursos d’água. Se não houver a possibilidade de reuso total, que seja lançado pelo menos um efluente com no mínimo a mesma qualidade da água captada no início do processo de produção.

De que maneira a tecnologia pode ajudar nesse tipo de produção?

Esse modelo é altamente tecnológico, no que se refere à manutenção da qualidade e da quantidade de água captada do meio ambiente e utilizada no processo produtivo. Mas para atender a essa premissa — a promoção de baixo impacto ambiental —, tanto o projeto quanto suas instalações não são necessariamente complexos.

O conhecimento e a aplicação dele no dia a dia é o que tornará uma unidade produtiva sustentável, muito mais do que a tecnologia.

A certificação orgânica na piscicultura é importante? Como ela pode ser obtida?

Mais importante do que a certificação, o que deve ser defendido é a adoção de práticas que permitam a produção de organismos aquáticos com baixo impacto sobre os cursos d’água e o meio ambiente. Isto é, sem o lançamento de efluentes ou, pelo menos, com baixa renovação de água, com devolução à natureza com qualidade igual ou superior àquela verificada no ponto de sua captação.

Ainda assim, para quem tem interesse, há duas certificações disponíveis no país, emitidas com apoio do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (Sisorg). Elas incluem:

  • certificação auditada — realizada por uma auditoria independente e de credibilidade no mercado, capaz de garantir a qualidade do processo de piscicultura até a chegada do produto ao consumidor;
  • certificação participativa — a auditoria ocorre em grupo, com presença de outros produtores, comerciantes e consumidores dos produtos, garantindo assim a qualidade.

Por que o número de empreendimentos de menor porte com foco no comércio local/regional de pescado está crescendo?

De maneira geral, a busca por pescado fresco e pouco industrializado vem aquecendo a demanda e incentivando esse mercado. Para sobreviver, os proprietários desse tipo de empreendimento devem se unir e se organizar, pois somente assim terão maior poder de negociação para aquisição de insumos e matérias-primas.

Conseguiu entender de forma mais clara como operar uma unidade de piscicultura intensiva e sustentável? No artigo, buscamos enfatizar as melhores práticas para garantir o menor impacto ambiental possível. Se cada um fizer sua lição de casa, analisando todo o processo direcionado para a sustentabilidade ambiental e econômica, bem estar dos colaboradores e na adoção de boas práticas de manejo, com foco no bem-estar animal e na preservação do entorno, todos terão negócios duradouros e lucrativos.

Para saber mais sobre o assunto, entre em contato conosco! Estamos à disposição para ajudar no que for preciso.

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

icon_newsletter

Selecione o assunto do seu interesse

    Banner Tanque Circular

    Materiais Gratuitos