+55 (11) 2139-2888 [email protected] Voltar para a página inicial
ACESSAR LOJA
+55 (11) 2139-2888 [email protected]
×

Pop-eye em peixes: quais as causas e como tratar a doença dos olhos saltados?

Modificado em: maio 31, 2023

Assim como nós, os organismos aquáticos estão expostos a uma série de enfermidades. Você já ouviu falar em pop-eye em peixes? Essa é uma doença que faz com que os piscicultores mantenham a atenção na aparência dos olhos de cada indivíduo de sua criação.

Quando falamos em pop-eye, pode ser que algumas pessoas associem o termo a um personagem dos quadrinhos e da animação americana. O protagonista é um marinheiro que tem os olhos grandes e com a aparência de estarem saltados, da mesma maneira que ficam os peixes doentes.

Elaboramos este artigo para explicar o que é a doença pop-eye, quais são suas causas, sintomas, como tratar e evitar que seus os peixes sejam contaminados.

Confira!

O que é a doença pop-eye em peixes?

Essa é uma enfermidade que deixa os peixes com os olhos saltados. Esse termo é derivado da língua inglesa e, traduzindo de maneira literal, as palavras “pop” e “eye” significam “estourar” e “olho”, ou seja, olhos estourados. Essa é realmente a aparência com a qual os peixes contaminados por essa patologia ficam. Além disso, podem aparecer outros sintomas, como barriga inchada, barbatanas roídas e olho esbranquiçado.

Essa doença atinge os dois olhos e a visão do olho acometido, em grande parte dos casos, é perdida. Nos estágios mais adiantados, o globo ocular do peixe pode chegar a se soltar do crânio. Essa doença em peixes não é considerada como muito contagiosa, mas infelizmente, a taxa de mortalidade é alta. Portanto, deve ser tratada desde o início do aparecimento dos sintomas.

Saiba também que o tipo de habitat não evita o aparecimento dessa patologia. Sendo assim, tantos os peixes de água doce quanto salgada podem ser infectados pela pop-eye nos tanques onde são criados.

Quais são as principais causas do pop-eye em peixes?

As principais causas da doença pop-eye em peixes, no geral, são as mesmas que contaminam as criações de piscicultura. Saiba quais são elas:

  • bactérias, protozoários e parasitas;
  • má qualidade da água;
  • disfunções orgânicas;
  • falta de quarentena.

Bactérias, protozoários e parasitas

Os peixes vivem em contato com bactérias e parasitas, mas alguns não provocam doenças. Esses organismos são provenientes de restos de alimentos, fezes da criação ou mesmo de pássaros e insetos que sobrevoam ou entram nos tanques. A Hexamita é um tipo de parasita que provoca a doença de pop-eye nos peixes.

Má qualidade da água

Caso a qualidade da água nos tanques e nos reservatórios não seja considerada boa, pelo descontrole dos índices de pH, falta de limpeza, de aeração, entre outros, a saúde e a vida dos peixes serão colocadas em risco.

Disfunções orgânicas

Algumas disfunções orgânicas provenientes da fragilidade da saúde do peixe podem abaixar a sua imunidade e possibilitar a ação de bactérias, fungos e parasitas. A presença desses organismos pode desencadear a doença de pop-eye.

Falta de quarentena

A falta de atendimento ao período de quarentena, recomendado para peixes que serão adicionados nos tanques, pode disseminar a doença de pop-eye dentro desses reservatórios. Pois, os novos indivíduos podem estar contaminados com os parasitas da doença.

Quais são as formas de tratamento da doença pop-eye?

As melhores formas de tratamento devem ser indicadas pelo veterinário de confiança da sua criação. No entanto, existem alguns procedimentos básicos que oferecem bons resultados.

Saiba quais são:

  • separar o peixe ou os peixes contaminados;
  • administrar medicamentos que combatem bactérias, protozoários e parasitas.

Entenda melhor esses procedimentos.

Separar o peixe ou os peixes contaminados

A primeira providência que o piscicultor deve tomar é separar o indivíduo ou os indivíduos contaminados pela doença pop-eye. Isso deve ser feito para evitar o alastramento da doença, prevenir o ataque de outros peixes e não matar as bactérias benignas que vivem no tanque. Para isso, deve ser preparado um tanque hospital para receber os peixes doentes. O tamanho desse reservatório de tratamento varia de acordo com a espécie e a quantidade de peixe a ser tratada.

Entretanto, para não perder tempo com o tratamento, você pode providenciar um tanque que tenha uma capacidade de água entre 60 e 100 litros. Para ajudar os peixes debilitados, mantenha a temperatura em torno de 28°C e providencie filtro e bomba para possibilitar a limpeza e a oxigenação.

Administrar medicamentos que combatem bactérias, protozoários e parasitas

Salientamos novamente que os medicamentos mais adequados para curar a doença de pop-eye de seus peixes devem receitados pelo médico veterinário. Sendo assim, as dosagens e o tempo de aplicação precisam ser estipulados por esse profissional.

No entanto, comumente, são ministrados na água do tanque hospital antibióticos e substâncias para combater bactérias e protozoários ao mesmo tempo. Conheça alguns dos medicamentos mais usados por criadores que precisam curar os peixes.

Caso, durante o tratamento da pop-eye, o olho do peixe salte do cérebro, esse animal não deverá retornar para o convívio com outros peixes, mesmo que esteja curado. Pois, essa deficiência fará com que ele sempre corra o risco de ser vítima de ataques de outros habitantes do tanque.

O que fazer para evitar a doença pop-eye em peixes?

Para evitar a doença de pop-eye em peixes, devem ser tomadas algumas medidas e precauções. Confira as nossas principais dicas para proteger a sua piscicultura:

  • cuidados com a qualidade da água e a limpeza dos tanques;
  • adotar quarentena;
  • alimentação correta;
  • proteção dos tanques

Cuidados com a qualidade da água e a limpeza dos tanques

Sabemos que a água é o local onde os peixes respiram, se alimentam, defecam, reproduzem etc. Para que esse ambiente seja saudável, os piscicultores devem ficar atentos com a qualidade desse ambiente. A mistura de substâncias dos alimentos, das fezes e da respiração cria uma série de reações químicas, que proporcionam o desenvolvimento de bactérias benignas e malignas.

Além disso, elas alteram o pH da água, fazendo com que ela se torne até mesmo mortal. Portanto, higienizar os tanques e manter a água limpa e aerada, por meio de filtros e tanques, é uma forma de evitar doenças como o pop-eye nos peixes.

Adotar a quarentena

A crise na saúde mundial ocasionada pela Covid-19 nos mostrou a importância de adotar períodos de isolamento para combater e evitar a propagação de doenças. Com os peixes, a lógica pode ser considerada a mesma. Nesse caso, sempre que for adicionar novos indivíduos em um tanque, aguarde alguns dias para verificar se os peixes recém-chegados não estão contaminados com alguma moléstia.

Alimentação correta

A alimentação deve ser ministrada na quantidade e na qualidade recomendada para cada fase de vida dos peixes. A falta de nutrientes pode provocar deficiência no sistema imunológico e abrir portas para doenças. Já o excesso pode sujar e as sobras contaminam a água.

Proteção dos tanques

Para proteção dos tanques, recomendamos o uso de telas, mantas ou galpões próprios para piscicultores e aquicultores. Esses equipamentos evitam a entrada de predadores e animais que transportam bactérias, protozoários e outros contaminantes.

Então, com alguns cuidados básicos, a doença pop-eye pode ser evitada. Afinal, a prevenção é a atitude mais eficiente para os piscicultores protegerem as suas criações de enfermidades. Entretanto, caso algum de seus peixes adoeça, busque ajuda especializada nos primeiros sintomas.

Achou o conteúdo interessante? Se precisar de mais informações faça contato conosco. Até lá!

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

icon_newsletter

Selecione o assunto do seu interesse

    Banner Tanque Circular

    Materiais Gratuitos