Voltar para a página inicial

Predadores na Piscicultura: como proteger a criação de peixes?

Modificado em: maio 31, 2023

Quem trabalha com aquicultura deve ficar atento aos ataques de predadores na piscicultura. Afinal, os peixes fazem parte da cadeia alimentar de vários seres. Os criadores precisam ser verdadeiros combatentes para não perderem as suas valiosas produções. Os intrusos aparecem de todos os lados, eles vêm voando, andando e nadando para atacar tanques e viveiros.

Preparamos este conteúdo para oferecer dicas eficientes para você combater ou evitar o ataque de predadores na piscicultura.

Vamos lá!

Quais são os principais predadores na piscicultura?

Podemos dizer que praticamente qualquer indivíduo carnívoro aprecia a carne de peixe e, se for fresca, melhor ainda. Portanto, fazendo uma analogia, tanques, rios e lagos são como shoppings centers de peixes. Conforme a variedade da criação, esses ambientes podem ser comparados a um festival gastronômico.

Dito isso, conheça os principais predadores da piscicultura:

  • seres humanos;
  • aves, pássaros e mamíferos voadores;
  • insetos;
  • lontra;
  • ariranha;
  • muçum e traíra.

Veja com mais detalhes quem são e como agem esses predadores da piscicultura.

Ser humano

Quando falamos em predadores na piscicultura é normal que algumas pessoas só pensem nos animais. No entanto, não podemos deixar de destacar o ser humano como um dos agentes que podem prejudicar uma criação de peixes. Uma pessoa pode agir de diversas formas para acessar uma produção de peixes. Um invasor pode entrar sorrateiramente nas propriedades, usar meios violentos ou até mesmo oferecer propinas para os trabalhadores da criação.

Aves, pássaros e mamíferos voadores

As aves e os pássaros também são grandes apreciadores da carne de peixe. Com seus bicos, garras e ataques certeiros vindos pelo ar ou pela água, essas duas espécies são eficientes predadores na piscicultura. As garças e os mergulhões são famosos nessa modalidade predatória.

Quanto aos mamíferos voadores, os morcegos pescadores atacam os reservatórios de peixes durante a noite. Com seu sistema de ecolocalização, agem pelos movimentos das ondas gerados pelos peixes. Após a captura, prendem as presas nas bochechas e levam para os abrigos para terminar a refeição.

Insetos

O grupo de insetos predadores na piscicultura é grande. Como normalmente são animais de pequeno porte, atacam as criações de peixes nos seus estágios de vida inicial.

Conheça alguns insetos predadores de peixes:

  • libélulas e larvas;
  • baratas d’água;
  • besouro aquático;
  • heterópteros aquáticos.

Libélulas e larvas

As libélulas são conhecidas em algumas regiões do país como lavadeiras. Pelo formato do corpo, das asas e da cabeça, lembram helicópteros. Voam para a frente e para trás e são rápidas. Além dos adultos que atacam pequenos peixes, as suas larvas também são predadoras.

Baratas d’água

As baratas d’água contam com duas eficientes garras dianteiras para capturar e imobilizar os peixes. Esses insetos injetam saliva nas presas para auxiliar a digestão. São predadores violentos e suas picadas são dolorosas.

Besouro aquático

Embora o nome desse inseto seja besouro aquático, isso não quer dizer que ele permaneça na água o tempo todo. Pois, no dia a dia, esses besouros fazem alguns voos. Esses insetos são predadores vorazes que se alimentam de peixes e atacam os tanques de alevinos.

Heterópteros aquáticos

Os heterópteros aquáticos constituem um grande grupo de insetos de espécies aquáticas e semiaquáticas. Atualmente, há cerca de 5.000 indivíduos catalogados. As baratas d’água e os besouros aquáticos que citamos fazem parte desse conjunto de predadores.

Lontras

As lontras são mamíferos carnívoros que podem chegar a 1,5m de comprimento e as maiores pesam cerca de 15kg. Com dentes fortes e afiados, são predadores de hábitos noturnos e não andam em grupos. Pelo tamanho, elas são animais que sozinhas podem arrasar uma produção de peixe com seus ataques.

Ariranha

A ariranha é outro mamífero carnívoro que pela semelhança com as lontras é conhecida como lontra gigante. Contudo, gosta de andar em bandos de até 7 indivíduos. Se encontrarem um tanque de peixes desprotegido, o prejuízo na criação pode ser enorme.

Muçum e traíra

O muçum é um peixe carnívoro que se parece com uma cobra. Pode atingir 1m de comprimento e consegue viver enterrado na lama. Sem dúvida, é um predador que pode trazer grandes riscos para os piscicultores. A traíra também é um peixe predador, bastante popular por ter uma carne muito saborosa. Sua capacidade predatória é tão eficiente que, em determinados casos, ela é usada para controle de populações de outros peixes, como a tilápia.

O que fazer para combater ou evitar predadores na piscicultura?

Para combater ou evitar as ações dos predadores na piscicultura, os criadores de peixes podem adotar diferentes soluções. Confira quais são:

  • cercas elétricas;
  • tanque-rede;
  • telas metálicas;
  • telas anti-pássaros;
  • câmeras de monitoramento.

Perceba como funcionam essas soluções para combater predadores na piscicultura.

Cercas elétricas

As cercas elétricas são ideais para evitar a ação de predadores de grande porte, inclusive os seres humanos mal-intencionados. Quando instaladas corretamente e com atendimento às legislações e normas, não matam, mas causam desconforto em quem tocá-las.

Tanque-rede

O tanque-rede para peixe é uma estrutura flutuante composta por uma malha com material e dimensão compatível com os peixes que serão cultivados. Essa solução da piscicultura evita a entrada dos predadores e ainda permite que a produção receba todos os cuidados, como a alimentação e o manejo.

Telas metálicas

As telas metálicas são recomendadas para uso em tanques, viveiros e no entorno das áreas de cultivos de peixes. O uso desse material é necessário para evitar predadores com dentes mais resistentes ou para dificultar a entrada de pessoas não autorizadas.

Telas anti-pássaros

As telas de proteção anti-pássaros são equipamentos eficientes para combater predadores que voam, como pássaros, aves, morcegos e insetos. Devem ser monitoradas para não cederem com o tempo ou não deixarem que os invasores entrem e fiquem presos no ambiente de cultivo dos peixes.

Câmeras de monitoramento

As câmeras de monitoramento já fazem parte de nossas vidas e estão instaladas em praticamente todos os lugares que frequentamos. Nos ambientes rurais são verdadeiros aliados dos produtores, principalmente aqueles que não moram nas áreas de criação e cultivo. Pois, podem monitorar os seus terrenos por meio de suas casas independentemente da distância.

Portanto, combater e evitar os predadores na piscicultura é uma maneira de zelar e proteger os investimentos dos criadores de peixes. Siga as nossas dicas e tenha sucesso na sua produção.

Gostou do assunto? Se precisar de mais informações faça contato conosco.

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

Selecione o assunto do seu interesse

    Banner Tanque Circular

    Materiais Gratuitos