Cadastre-se e receba novidades  
Selecione o assunto de seu interesse:
Enviando sua inscrição  
Loading...
Piscicultura

Criação de bacalhau no Brasil: entenda os principais pontos!

criação de bacalhau no Brasil
ebook-aquiculturaPowered by Rock Convert

Dentro do segmento da aquicultura, o cuidado envolvendo o manejo da produção desempenha papel essencial para o crescimento do negócio. Além de controlar a qualidade dos processos, o que inclui análise de clima, licenciamento, segurança e muito mais, é importante conhecer particularidades sobre as espécies.

Nesse cenário, a criação de bacalhau figura entre os assuntos de maior relevância. Afinal de contas, trata-se de um item consumido em larga escala ao redor do mundo inteiro. A compreensão da história do bacalhau e suas possibilidades adequadas de exploração no Brasil ajuda bastante a otimizar a produção.

Ao longo do post, você confere uma série de informações valiosas a respeito do bacalhau: conceito, origem, tipos, chegada ao nosso país e situação atual da criação, o que engloba as vantagens da espécie. Siga conosco e faça ótima leitura!

O que é bacalhau?

Por mais que o senso comum nos leve a acreditar que o bacalhau é um peixe, isso não procede. E o motivo, na verdade, está longe de ser difícil de entender: simplesmente nenhuma espécie de peixe leva o nome de bacalhau!

Essa é a definição usada para abranger diversos peixes, que, por sua vez, estão classificados em muitos gêneros distintos, conforme você vai conferir mais adiante no post. Depois que as poucas espécies em questão passam por um processo de salga e secura, recebem a nova nomenclatura, responsável por unificá-las em um único grupo.

Bastante consumido durante datas de celebração como Natal e Semana Santa, esse alimento permite aproveitamento até mesmo da língua e das bochechas do animal. Ele possui teor reduzido de gorduras aliado a um valor proteico elevado, com concentração considerável de sal. Além disso, é rico em cálcio, ferro e Ômega 3.

Qual é a história do bacalhau?

A linha do tempo do bacalhau remete ao distante século 8, mais precisamente a pescadores oriundos do País Basco, na Espanha. Em busca de condições melhores, eles se mudaram para a região litorânea da Irlanda, então um território sob administração da França.

Na época, ainda antes do ano 1000, o alimento foi inserido no cardápio europeu por esses pescadores migrantes. Porém, como você provavelmente sabe ou já ouviu falar, os portugueses ganharam a fama pela evolução de métodos de criação de bacalhau — e com certa justiça, pois aprenderam a salgar e secar o item nas águas do mar.

Por ser uma alternativa barata, fácil e saborosa, o bacalhau caiu no gosto da população de Portugal e da Europa em geral. Começou aí uma história que transformou o país ibérico no maior consumidor mundial do alimento, apesar das mudanças ocorridas ao longo do tempo, inclusive encarecendo o produto.

A origem ainda remete ao período das navegações, em que pescadores buscavam os peixes em territórios distantes como Islândia e Groenlândia. Assim, desembarcavam na cidade do Porto para iniciar a preparação da comida. Não à toa, o bacalhau do Porto é tão famoso hoje em dia.

Atualmente, o cenário já se apresenta muito diferente. A Noruega virou o grande polo global de pesca e exportação de bacalhau, já que as espécies exigem temperaturas frias da água, e o país nórdico garante essa característica.

Como foi a chegada do bacalhau ao Brasil?

Em um cenário no qual a Noruega já era a principal exportadora de bacalhau para o mundo interno, essa iguaria chegou ao Brasil. Os grandes responsáveis foram os integrantes da então corte portuguesa durante o começo da colonização. Nas datas relevantes, os europeus celebravam com o alimento.

Ainda assim, apenas por volta do século XIX o bacalhau virou refeição habitual em nosso país. Se no início havia abundância e preço baixo, o tempo foi tornando essa iguaria mais bem trabalhada. Como resultado, só ocasiões verdadeiramente especiais passaram a merecer o bacalhau na mesa.

ebook-pisciculturaPowered by Rock Convert
ebook hidroponiaPowered by Rock Convert

De lá para cá, o planeta vivenciou diversos acontecimentos históricos que impactaram a economia, modificaram a cadeia produtiva e trouxeram novas opções de consumo. Hoje, esse prato figura em muitas receitas típicas da culinária do Brasil, em inúmeras formas e estilos.

E a criação de bacalhau no Brasil?

Já ouviu falar no pirarucu, certo? Pois essa espécie de peixe está em alta na piscicultura na Amazônia. Não por acaso, ela recebeu o nome de bacalhau brasileiro devido ao modo como é vendido no país, com o uso de uma metodologia que envolve os processos de secagem e salga.

Recentemente, têm sido produzidos mais de 50 mil kg de pirarucu por ano. Um exemplar da espécie pesa na casa dos 10 kg e é ser encontrado com facilidade na região amazônica em água doce. Por apresentar grande porte, o pirarucu é um dos maiores peixes do mundo.

Quanto ao valor de mercado, existem bons motivos para que ele seja alto. Afinal de contas, não possui espinhos e o sabor é diferenciado. Por outro lado, tanques não permitem a criação da espécie, considerando o tamanho exagerado. Isso coloca o mar como ambiente ideal, desde que a temperatura da água supere 20º C.

A desova do peixe se dá durante os períodos mais quentes, e poucos alevinos sobrevivem à caça. Outro aspecto negativo é que a fêmea do pirarucu realiza o ciclo de reprodução somente cinco vezes ao longo da vida.

Quais são os tipos de bacalhau?

Agora que conhece o conceito, a história e a situação da criação de bacalhau no Brasil, confira as quatro espécies marinhas dessa famosa iguaria. Todas demandam águas geladas, daí a força da Noruega, um país escandinavo, no mercado global. Veja.

Saithe

Por aparecer no topo da lista das opções mais econômicas à disposição, o saithe é bastante comercializado no Brasil, especialmente no Nordeste, por conta do bolinho de bacalhau. A carne dessa espécie apresenta tonalidade escura e um sabor marcante.

Ling

Ao contrário do saithe, o ling possui uma coloração mais clara e é mais estreito. O preço não muda muito e pode ser considerado barato. Cozinheiros costumam investir nessa alternativa para garantir qualidade às receitas sem gastar tanto.

Zarbo

Menor do que todos os outros e por consequência mais barato, o zarbo aparece com alta frequência na piscicultura. Conhecida pelo teor reduzido de gordura, essa espécie é excelente para agregar a ingredientes capazes de acentuar o sabor, como batatas e até mesmo cebolas.

Do Porto

Conforme mencionamos no tópico sobre a origem, o bacalhau do Porto é um dos principais. De acordo com o preço, na verdade, trata-se da grande atração, pois o valor de mercado é maior.

Amarelado e facilmente desmanchável ao cozinhar, essa espécie não perde a maciez, características que a colocam como peça-chave em várias receitas nobres. A origem do nome você já observou, lembra? A cidade do Porto é realmente um ótimo destino para os amantes dessa iguaria!

A criação de bacalhau representa uma tradição em vários lugares do mundo. E fica fácil de entender depois de ler o texto, não é verdade? O produto pode até ser considerado caro, mas a qualidade, o sabor suave e a ausência de espinhos, entre outros benefícios incríveis, fazem valer o investimento.

Gostou do post? Tem algo a acrescentar? Ficou com dúvidas a respeito do bacalhau e da criação dessa iguaria? Então, deixe um comentário abaixo!

Powered by Rock Convert
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *