Carregando, por favor aguarde
Cadastre-se e receba novidades

Toldos

Toldeiro: aprenda a comprovar renda como autônomo de modo simples

Ser o próprio chefe, fazer os próprios horários e montar o negócio baseado naquilo que ama são algumas das vantagens que atraem muitos profissionais toldeiros para o trabalho como autônomo. Porém, não saber como comprovar renda de autônomo é um empecilho para muitos que pensam em optar por esse estilo de trabalho.

Mas realizar essa tarefa não é tão difícil quanto parece. Tudo o que você precisa é das informações certas para seguir o ramo da maneira mais tranquila possível.

Pensando em como podemos tornar sua vida mais fácil, fizemos este artigo com as informações que consideramos mais importantes sobre o assunto. Continue a leitura para conferir o que separamos para você!

Como funciona o trabalho autônomo?

O profissional autônomo é aquele trabalha para si mesmo, assumindo os riscos pelas suas próprias atividades e sem se submeter às ordens de outra pessoa. Ele pode prestar serviços a empresas ou pessoas físicas de forma eventual ou com uma certa regularidade, mas sem formar um vínculo empregatício.

De acordo com a Portaria N° 349, de 23 de maio de 2018, o trabalhador autônomo pode:

  • prestar qualquer tipo de serviço a uma empresa, ainda que as atividades exercidas por ela sejam diferentes da sua área de atuação;
  • oferecer seu trabalho para apenas um contratante, sem se tornar seu empregado;
  • estabelecer contratos de prestação de serviço;
  • recursar-se a desenvolver atividades solicitadas pelo contratante, podendo sofrer as penalidades previstas em contrato, caso tenha sido feito algum.

São exemplo de profissionais autônomos: professores particulares, donos de lojas, caminhoneiros, tradutores, motoristas de aplicativos, toldeiros entre outros.

Como comprovar renda de autônomo?

Abaixo, explicamos o que você pode fazer para comprovar sua renda sendo um profissional autônomo.

Use uma conta bancária

Concentrar o seu dinheiro em uma única conta bancária é uma forma de comprovar seus rendimentos, principalmente se você tiver mais de uma fonte de renda.

Seis meses após a abertura da conta, você já pode usar os extratos de transações como comprovante de depósitos. Esse período é necessário para que as instituições verifiquem as variações de seus ganhos em cada mês.

Use uma conta-corrente

É essencial para o profissional autônomo ter uma conta-corrente, pois, com ela, você tem acesso a serviços que não estão disponíveis em conta-poupança, como cartões de crédito e débito, cheques e extratos com informações sobre todas as transações feitas em um mês.

A conta-corrente também é a forma mais rápida de fazer e receber pagamentos, além de facilitar empréstimos e financiamentos.

Organize sua documentação

Tenha sempre sua Declaração de Imposto de Renda em dia, pois muitas instituições exigem esse documento, além dos seus extratos bancários. A declaração é feita uma vez por ano e tem validade durante todo o ano seguinte, ou seja, uma declaração feita em 2019 terá validade para 2020.

O Imposto de Renda contém informações de todos os ganhos e despesas que você teve ao longo do ano e é por isso que você precisa dele para transmitir confiança às instituições financeiras.

Formalize sua empresa

Formalizar seu trabalho como empreendedor garante que você tenha muitos dos benefícios de um funcionário contratado. Abaixo, apresentamos duas maneiras de se formalizar.

Fazer cadastro como Microempreendedor Individual (MEI)

Para se cadastrar como MEI, o trabalhador deve ganhar até R$ 81 mil por ano, ter apenas um empregado ganhando salário mínimo (ou o piso salarial referente à sua categoria) e não participar como sócio, administrador ou titular de outra empresa. Ainda, é necessário que você exerça uma atividade permitida para essa categoria.

Entre as vantagens de se tornar MEI estão: ter Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), poder emitir nota fiscal, ter acesso a benefícios como aposentadoria por idade ou invalidez, auxílio-doença, salário-maternidade e pensão por morte para a família.

A arrecadação do MEI é feita por meio de um único boleto, que é o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). Nesse documento, estão reunidos todos os impostos municipais, estaduais e federais, sendo que este último não é obrigatório para microempreendedores.

Fazer cadastro no Supersimples

Para ter acesso a esse regime, é necessário que sua empresa se enquadre dentro das normas de uma microempresa ou de uma empresa de pequeno porte. O limite de ganhos permitidos para essa categoria é de R$ 4,8 milhões por ano.

Assim como o MEI, o pagamento de impostos no Supersimples também é unificado por meio do DAS.

Guarde os contratos dos serviços prestados

Sempre que possível, emita um contrato assinado por você e pela pessoa que vai usar seus serviços. Isso não apenas protege ambas as partes de condutas fora do combinado, como também serve como um meio legal de comprovar seus rendimentos.

Essa é outra vantagem de formalizar sua empresa, pois emitir contrato é mais fácil quando se tem CNPJ.

Faça a Decore

A Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos (Decore) é um documento oficial para comprovação de renda direcionado a profissionais liberais, autônomos e empresários.

Esse documento só pode ser emitido por contadores habilitados e deve ter o selo de Declaração de Habilidade Profissional (DHP), que é emitido pelo Conselho Regional de Contabilidade (CRC). Esse selo é uma garantia de que o contador está devidamente regularizado junto ao conselho.

Por que é importante saber como comprovar renda de autônomo?

Comprovar sua renda é essencial, porque só assim você consegue demonstrar que tem recursos suficientes para contratar serviços que exijam pagamentos em dia. Para conseguir créditos em bancos, por exemplo, a instituição precisa avaliar os riscos da atividade e calcular o limite de crédito que pode ficar disponível para você, de acordo com sua renda mensal.

Como profissional autônomo, você é responsável por todas as questões relativas ao seu negócio, o que exige de você uma organização muito maior do que funcionários de uma empresa. Os empregados podem comprovar sua renda apenas com sua carteira de trabalho ou contracheque, mas você precisa estar em dia com todas as informações e procedimentos para conseguir essa comprovação por outros meios.

Agora que você terminou a leitura, deixe um comentário dizendo o que você achou do nosso artigo ou compartilhando mais informações que considere relevantes sobre o assunto!