Voltar para a página inicial

Seguro aquícola: o que é e como funciona

Modificado em: maio 31, 2023

A piscicultura é um dos setores que vêm chamado bastante atenção do mercado, visto seu crescimento. Segundo dados da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), a produção terá um crescimento de 10% em 2019, principalmente por conta do maior consumo de tilápia. Desse modo, para não perder produtividade por incidentes, é necessário ter um seguro aquícola de qualidade.

O primeiro seguro rural aquícola foi lançado em 2009 e, a partir de então, vem se tornado cada vez mais presente na vida de produtores. Com o aumento da demanda, aqueles que não estão preparados para continuar sua produção frente à problemas como pH da água e enfermidades, vão acabar sofrendo grande prejuízo.

A cobertura desse tipo de seguro é essencial para quem cria peixes e frutos do mar, pois sinistros acontecem e podem comprometer toda uma produção. Por isso, o Ministério da Agricultura deverá incentivar produtores a buscar seguros.

Para que você saiba tudo a respeito do assunto e proteja o seu negócio, separamos neste artigo as principais informações sobre seguro aquícola. Não perca nenhum detalhe na leitura a seguir.

Como funciona o seguro aquícola e quem pode pedir?

O seguro aquícola funciona, de maneira geral, como seguros de outras modalidades rurais agrícolas (rural e florestal). Mas há um diferencial: ele atende às especificidades de espécies que são criadas em cativeiro.

O termo aquicultura é definido, de forma resumida, como organismos aquáticos vivos que são criados em cativeiro, podendo ser praticada em mar aberto ou até mesmo em fazendas distantes de rios.

Produtores de mariscos, ostras e mexilhões, por exemplo, que sofriam com a maré vermelha em Santa Catarina, hoje podem contar com a cobertura de seguros. Assim, conseguem manter sua produção e ficar tranquilos em atender à demanda, que vem crescendo a cada ano.

Ademais, o seguro também é uma segurança para investidores e bancos que, ao verem maior estabilidade e crescimento da produção, podem colocar mais capital no negócio. Isso se reflete diretamente na expansão e melhora da produtividade.

O seguro no Brasil é, geralmente, de riscos nomeados. Ou seja, o produtor deve nomear os riscos que vai contratar. Em sua maioria, são eles: tempestade, alagamento, poluição, atos maliciosos, doenças, queda de oxigênio e interrupção da energia elétrica. Logo, ele pode ser personalizado para a necessidade específica do negócio.

Agora que você sabe sobre como funciona o seguro, que tal entender quais tipos de criação ele cobre? Acompanhe, abaixo.

Quais tipos de criação o seguro aquícola o seguro cobre?

Veja os três tipos de criação que podem ser cobertas pelo seguro, em detalhes.

Maricultura

A maricultura é o cultivo de ostras, mariscos, camarões e algas marinhas, em seus habitats naturais, com objetivos comerciais. Hoje, o Estado de Santa Catarina representa o maior produtor, tendo até 90% da produção geral do Brasil, sendo praticamente exclusiva do local.

O maior foco é na região de Ribeirão da Ilha, em Florianópolis. Já as algas marinhas e crustáceos têm grande produção no Nordeste.

Piscicultura

A piscicultura se dá pelo cultivo de peixes, que hoje é um grande destaque da aquicultura. Além do setor ter potencial para triplicar sua produção, a tilápia leva a prática a R$5 milhões de faturamento anual.

A produção acontece, em sua grande maioria, em represas ou fazendas, já que não vão de encontro com outras atividades exercidas. São, inclusive, muito proveitosas, pois na hora de reciclar produtos, podem ser convertidos em proteína animal.

Carcinicultura

A carcinicultura é a prática de criação de camarões em viveiros, tendo Rio Grande do Norte e Piauí como maiores produtores do Brasil. O cultivo pode ser feito em água doce ou marinho, sendo criados em tanques.

Pelo grande valor nutritivo e saudável que apresenta, o camarão representou um grande crescimento na aquicultura. Somente em 2019, houve um crescimento de 18%, segundo estimativas da ABCC (Associação Brasileira de Produtores de Camarão).

Os maior produção está no Nordeste do país, concentrando 97% do total, e a expectativa é de crescimento para o setor. Vamos, agora, aos benefícios de contratar um seguro aquícola em sua produção. Veja, a seguir.

Qual a importância do seguro para aquicultores?

Conforme dados do IBGE, a cadeia produtiva aquícola movimenta cerca de R$10 milhões ao ano, o que mostra grande relevância para a economia. Um dos grandes benefícios dos seguros, portanto, é a possibilidade de estabilizar a produção em situações de sinistro, que são as grandes vilãs da produtividade e atendimento da demanda.

Como um dos objetivos da aquicultura é garantir produtos com maior controle e de forma regular, um seguro que dê o suporte a aquicultores quando sofrem com sinistros é essencial para evitar perda de vendas e prejuízo.

Ao evitar problemas financeiros, é normal que instituições financeiras e de investimento aportem capital no negócio ou concedam maior crédito. Logo, de forma geral, as principais vantagens do seguro aquícola são:

  • maior estabilidade da produção;
  • melhora da receita;
  • redução de prejuízos;
  • segurança para investidores;
  • possibilidade de aumento de modernização.

Ainda que já esteja implantado há uma década no país, o seguro ainda é uma novidade. Vemos falarem bastante de outros setores e, por isso, a aquicultura ficou na inércia, quando se trata de incentivo do Governo por tanto tempo.

No entanto, existem várias empresas trabalhando com a oferta do serviço, pois as vantagens para o produtor em situações de sinistro e falha de equipamentos são enormes. Agora, com a grande demanda por produtos saudáveis, como peixes, crustáceos e algas, o mercado dará mais atenção ao setor.

Como contratar o seguro?

Para contratar o seguro é necessário procurar uma seguradora que seja habilitada pelo MAPA e PSR. Caso o CPF ou CNPJ que utilize já esteja vinculado a outros empreendimentos da área rural, a subvenção econômica deve ser acrescido com os demais.

Viu como é importante saber a respeito do seguro aquícola e como ele pode impactar diretamente a sua receita? Além de oferecer maior estabilidade da produção, é possível reduzir prejuízos e ainda obter mais uma razão para o suporte de investidores e bancos, o que é essencial para aumentar seu negócio! Portanto, se você quer garantir sua produção e aumentar a receita, não deixe de contratar o seu!

Gostou deste artigo e quer saber ainda mais sobre o setor? Não deixe de nos seguir nas redes sociais! No Facebook, no Twitter, no LinkedIn e no YouTube, compartilhamos notícias e dicas para que você turbine cada vez mais sua produção de peixes e frutos do mar.

Novidades

Cadastre-se na nossa newsletter
e receba notícias em seu e-mail

Selecione o assunto do seu interesse

    Banner Tanque Circular

    Materiais Gratuitos